Seminário na Bahia discute a implementação dos ODS, com base no eixo “Pessoas”

23/nov/2016

Esse foi o segundo Seminário, de uma séria de cinco, para discutir com governos, setor privado e sociedade civil a implementação da Agenda 2030 no Brasil, com base nos cinco “Ps”. Foto: Guilherme Larsen/PNUD Brasil.

Representantes de governos, setor privado e da sociedade civil se reuniram na Federação das Indústrias do Estado do Bahia (FIEB), nesta quarta-feira, para o Seminário “Diálogos sobre Pessoas: Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável”. O objetivo do encontro foi discutir propostas e iniciativas que colaborem com o alcance das metas dos ODS. Esse foi o segundo Seminário nacional sobre os cinco eixos de atuação da Agenda 2030: Planeta, Pessoas, Prosperidade, Paz e Parcerias.

Na abertura do evento, o presidente do Conselho de Responsabilidade Social Empresarial da FIEB, Marconi Andraos, ressaltou o compromisso do setor privado no cumprimento dos ODS. “Oportunidades como o Seminário aqui na Bahia integram governos, sociedade, empresas privadas e o terceiro setor para cumprirmos as metas da Agenda 2030. Nosso papel aqui na Federação é garantir que isso aconteça”, disse.

“Discutir a Agenda 2030 é promover uma visão de desenvolvimento econômico, visando à construção de um plano estratégico ao futuro. Já temos uma parceria com o PNUD na área de qualificação, planejamento e gestão da área de assistência social e pretendemos estreitar nossos laços. E discutimos, no Seminário, como ampliar essas parcerias”, afirmou o secretário de Justiça da Bahia, Geraldo Reis.

O secretário nacional de articulação social da Secretaria de Governo do Presidência da República, Henrique Villa, disse que a Agenda 2030 é uma oportunidade para colocar o Brasil no caminho definitivo do desenvolvimento sustentável. “Os ODS nos dão a oportunidade de olharmos para frente como um instrumento organizado para tal. É mais que um compromisso que o Brasil tem com a ONU. É uma oportunidade do país convergir políticas públicas com outro formato. Isso não é trivial. É mudança de paradigma”, afirmou.

“A construção de uma agenda que envolva não só as instituições e o poder público, mas que envolva todas as pessoas, significa assegurar o desenvolvimento sustentável dentro das capacidades. Temos a oportunidade do PNUD estar envolvido diretamente em iniciativas ao futuro do planeta, assegurando a competência técnica”, disse o diretor-geral do Centro de Estudos e Estratégias em Relações Internacionais, Leonel Neto.

Diretor de país do PNUD Brasil, Didier Trebucq ressaltou o envolvimento dos governos, do setor privado e da sociedade civil para o cumprimento da Agenda 2030, em iniciativas para o fortalecimento do desenvolvimento humano sustentável. “Temos que unir esforços para garantirmos investimentos às pessoas mais vulneráveis, para não deixarmos ninguém para trás, e fomentar a inovação dos gestores públicos e privados”, afirmou.

A palestra magna do Seminário foi feita pela professora Tânia Fischer, da Universidade Federal da Bahia, e teve como tema o desenvolvimento territorial e gestão social. “Precisaremos desenvolver perfis de competências para cumprirmos a Agenda 2030. E gestão social é gestão da sociedade. Temos que encontrar uma forma de conviver, e com estratégias que dialoguem com os territórios em que estamos inseridos”, afirmou.

Esse foi o segundo Seminário, de uma séria de cinco, para discutir com governos, setor privado e sociedade civil a implementação da Agenda 2030 no Brasil, com base nos cinco “Ps”: Planeta, Pessoa, Prosperidade, Paz e Parcerias.

 

do PNUD

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue