Remoção de palha da cana-de-açúcar pode impactar na produtividade dos canaviais

16/mar/2017

Algumas plantas daninhas mostraram-se indiferentes à quantidade de palha, enquanto outras tiveram seu crescimento beneficiado pelo recolhimento da palha. Foto: Daniel Duft/CTBE.

Avaliar o impacto da remoção de palha de cana-de-açúcar na infestação de plantas daninhas é uma das etapas do Projeto SUCRE, que tem como objetivo principal aumentar a geração de energia elétrica na indústria de cana-de-açúcar.

Para realizar essas análises nas usinas parceiras do projeto, foram instalados, desde junho de 2016, na Usina da Pedra, em Serrana, e na Usina Quatá, em Quatá, ambas no interior paulista, experimentos de campo no início, meio e fim de safra, com enfoque nessa temática.

No início de março deste ano, com os resultados obtidos nos experimentos, o projeto pode verificar que o grau de infestação de plantas daninhas varia em função do tipo de solo, da época de colheita da cana-de-açúcar  assim como da camada de palha que cobre o solo.

Algumas plantas daninhas, como a corda de viola (Ipomoea sp.) e a merremia (Merremia cissoides) mostraram-se indiferentes à quantidade de palha, enquanto as gramíneas de sementes braquiária (Brachiaria sp.) e colonião (Panicum maximum) têm seu crescimento beneficiado pelo recolhimento de palha. O efeito dessas doses de palha no controle das plantas daninhas relacionados com a produtividade da cultura serão mensuradas nos próximos meses.

Mesmo os resultados sendo parciais, já se mostram relevantes para relacionar o impacto da remoção na infestação dessas plantas com a produtividade da cultura.

Os experimentos serão aplicados novamente entre 2017 e 2018, no segundo ciclo da colheita, para comparação dos resultados parciais. No final de 2018, o Projeto SUCRE pretende lançar o relatório final das análises.

O Projeto SUCRE (Sugarcane Renewable Electricity) é uma iniciativa do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) em parceria com o PNUD, com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).

Para mais informações sobre essa iniciativa, acesso o site do Projeto SUCRE.

 

do PNUD, com informações do CNPEM.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue