Comunidade escolar integrada por meio da atividade física

26/abr/2017

Foto: Geração Movimento

Ao observar o recreio da escola em que trabalha como diretora, Patrícia Sousa notou que as crianças ocupavam-se com seus celulares e não brincavam mais. Refletiu então que ensinar as brincadeiras tradicionais poderia ser um dos papéis da escola, uma vez que as novas gerações já não têm mais a liberdade de brincar com autonomia na rua como em sua infância.

Para a gestora escolar Hilda Almeida, a prática de atividade física nas escolas, muitas vezes entendida como um sinônimo de “jogar bola”, priva muitas crianças de diversas outras experiências que poderiam contribuir em muitos aspectos de seu desenvolvimento.

Por terem consciência desses problemas, Hilda e Patrícia abriram as portas de suas escolas para o Geração Movimento, iniciativa que acredita que tornar a comunidade escolar mais ativa fisicamente não é um papel exclusivo do professor de educação física, e sim esforço conjunto de todos.

Criado em 2015 pelo Instituto Coca-Cola Brasil e Fundação Roberto Marinho, o Geração Movimento é um programa de formação continuada que aborda a temática da Cultura Corporal por meio de uma metodologia que propõe aos professores a integração da atividade física às demais disciplinas oferecidas no Ensino Fundamental, desenvolvendo também temas como inclusão e gênero. Apesar de ser um programa relativamente recente, já atendeu mais de 18 mil alunos nos municípios de Joinville (SC) e Sumaré (SP), e venceu em 2016 o Prêmio Mais Movimento – iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para reconhecer e divulgar iniciativas que integram a atividade física no dia a dia das pessoas de todas as faixas etárias.

A formação dos professores ocorreu por meio de encontros presenciais apoiados pela tecnologia educacional Multicurso, reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação), e implementada pela Fundação Roberto Marinho em diversos contextos. Toda a formação se dá em horário de trabalho, o que facilita o engajamento dos professores que têm suas carreiras impactadas pela participação em cursos de formação e atualização. Todas as atividades de formação foram gratuitas e oferecidas exclusivamente para professores de escolas públicas dos municípios de Joinville e Sumaré.

Considerando a metodologia e a realidade das escolas públicas do país, o programa aplicou processos de avaliação e monitoramento contínuos para atender às demandas dos professores e suas diferentes realidades.

Um dos diferenciais do programa é pensar a promoção do movimento em perspectiva ampla, para além das aulas de educação física ou oferta de modalidades esportivas no contraturno escolar. Entre os mais de 50 programas externos atuantes nas escolas de Joinville, o Geração Movimento foi o único que atuou com a formação integrada de professores.

Ao envolver professores de todas as formações e disciplinas no planejamento de atividades, o programa estimula a integração entre os docentes. Segundo Elizabet Staranscheck, da Secretaria de Educação de Joinville, antes do início das atividades do Geração Movimento, o professor de educação física costumava trabalhar de forma isolada, e agora os planos de aula passaram a ser construídos conjuntamente entre professores de diversas disciplinas.

Ao ter contato com a realidade das escolas atendidas, os impactos do Geração

Movimento em professores e alunos ficam notáveis. Entre eles, observa-se o aumento do nível de atividade física na escola, juntamente ou fora das aulas de educação física. Em uma das escolas, implementou-se uma agenda semanal às sextas em que todos os professores e alunos do Ensino Fundamental I reúnem-se no pátio para realizar atividades físicas, jogos, palestras. Em outra escola, o programa motivou a criação de uma olimpíada interclasses.

Outro impacto relevante do programa é o aumento das atividades interdisciplinares entre os professores, o que contribuiu para o reconhecimento e a valorização da educação física na escola. As saídas da sala de aula deixaram de acontecer somente durante as aulas de educação física; a programação das escolas está mais atrativa, pois passou a contar com diversas atividades como dança circular, saraus, gincanas e outros eventos ao ar livre, que inclusive podem contar com a presença dos pais e familiares dos alunos. As escolas tornaram-se um ponto de encontro das comunidades em que estão inseridas, majoritariamente em regiões periféricas de baixa renda.

As atividades físicas desenvolvidas nas escolas impactam sua rotina e contribuem para melhorar o comportamento e as relações entre alunos. Dessa forma, o Geração Movimento tem impacto sobre o capital físico, intelectual e emocional de seus beneficiários.

A iniciativa pode ser considerada exemplar em termos de trabalho em rede. O programa foi uma iniciativa do Instituto Coca-Cola Brasil em parceria metodológica e de implementação com a Fundação Roberto Marinho. Para implementar o programa nas escolas as alianças com secretarias de educação foram fundamentais, pois viabilizaram o engajamento dos diretores, gestores escolares e professores de diversas disciplinas.

Considerando o esforço empregado na sistematização da experiência por meio dos materiais de ensino, apostilas e relatórios de avaliação e monitoramento, a iniciativa apresenta alto potencial de multiplicação. O Geração Movimento busca aumentar a escala de seu impacto em todo o Brasil. Ainda em parceria com o Instituto Coca-Cola Brasil, o material foi adaptado e disponibilizado para utilização por diferentes organizações e grupos de educadores em contextos diversos. Em 2017, a Fundação Roberto Marinho atua no sentido de construir possibilidades para continuar a implementar o programa em seu modelo atual.

Chancela

Por se tratar de um modelo exemplar de promoção da prática regular da atividade física, atendendo aos critérios de inovação e originalidade, impacto qualitativo e acesso universal e trabalho em rede, escala e potencial de multiplicação, o Geração Movimento sagrou-se uma das três iniciativas vencedoras do Prêmio Mais Movimento, do PNUD, concorrendo com mais de 140 inscrições de todo o Brasil.

“Hoje, deparamos com uma epidemia de inatividade física, no Brasil e no mundo. A população fisicamente ativa vem decaindo ano após ano. Precisamos acabar com esse ciclo. Uma das formas de tornar o Brasil mais ativo é incorporar o movimento ao dia a dia dos brasileiros, de forma criativa e prazerosa. Com isso, não melhoramos somente a capacidade física da população, mas também suas habilidades intelectuais, sociais e emocionais”, afirma o coordenador-residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil e representante-residente do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic.

A iniciativa foi reconhecida publicamente em uma cerimônia de premiação em 2 de dezembro de 2016, no Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro. A jornalista Fernanda Gentil foi a mestre de cerimônias do evento.

 Além de receber um troféu e um certificado de chancela do PNUD, a iniciativa intersetorial terá direito a um kit de divulgação com press-release, book de fotos profissionais, vídeo editado e parecer de avaliação externa sobre a iniciativa. Ademais, o PNUD fará a divulgação das iniciativas em seus canais de comunicação, com o objetivo de disseminar a prática e fazer com que ela se multiplique em outros contextos e regiões.

Os ganhadores foram selecionados por um júri independente, composto por representantes do PNUD, de outras agências internacionais, do governo, de organizações da sociedade civil e do setor privado.

Sobre o Prêmio Mais Movimento

O Prêmio Mais Movimento tem como objetivo conscientizar a sociedade sobre a importância da prática de atividade física. Segundo a Organização Mundial da Saúde, apenas 30% da população é fisicamente ativa. Desses, somente entre 2% e 5% fazem exercícios em volume ideal (30 minutos de atividade por dia). No Brasil, cerca de 300 mil pessoas morrem por ano de doenças associadas diretamente à inatividade física. No mundo, esse número chega a 5,3 milhões de mortes por ano. De acordo com estudo desenvolvido pelo Ministério do Esporte, estima-se que o percentual de brasileiros envolvidos com esportes ou atividades físicas é de apenas 55% (Diesporte, 2015). No conjunto das capitais brasileiras, pode-se verificar que a frequência da prática de atividade física é de 41,6% entre homens, com percentual ainda mais baixo entre as mulheres, de 30,4% (Vigitel, 2014).

O Prêmio Mais Movimento é uma das iniciativas do PNUD para combater essa

epidemia. O PNUD vem trabalhando para promover e reconhecer o esporte e a atividade física como fatores de desenvolvimento humano no Brasil, atuando junto a diferentes setores para fomentar ações nesse âmbito na agenda nacional. Nesse sentido, o Prêmio foi lançado com o intuito de valorizar iniciativas que promovam experiências positivas para crianças desde cedo e/ou integrem a atividade física no dia a dia das pessoas em todas as faixas etárias.

Mais informações

O material didático do programa Geração Movimento pode ser acessado por meio de download no seguinte link: http://www.cocacolabrasil.com.br/forms/roteiros-guia-programa-geracao-movimento

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue