PNUD apoia iniciativa do Governo Federal voltada para a primeira infância

3/mai/2017

O investimento no desenvolvimento infantil, além de ser uma forma preventiva de combate às desigualdades sociais, contribui para a redução da população em risco social. Nesse contexto, o PNUD apoia a implementação do programa “Criança Feliz”, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) e com acompanhamento da primeira dama, Marcela Temer.

O PNUD apoia as ações de promoção nacional e internacional do programa e sua viabilidade. Já está em andamento o projeto ”Bases para a Avaliação de Impacto do Programa Criança Feliz”, assinado com a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal. A parceria visa definir o protocolo de avaliação de impacto do Programa Criança Feliz e elaborar os questionários e instrumentos para a coleta de dados a nível municipal. No escopo deste Projeto, o PNUD contribui também com os serviços de um consultor especialista em saúde infantil, Cesar Victora, que recentemente recebeu a mais importante premiação científica do Canadá, o Prêmio Gairdner. Ganhadores desse título são considerados como potenciais candidatos à indicação ao Prêmio Nobel.

O “Criança Feliz” tem como objetivo o aprimoramento das políticas públicas para a primeira infância. A ação é integrada ao Bolsa Família e conta com uma prestação complementar de serviços às famílias participantes do programa. O público-alvo são gestantes e crianças de 0 a 6 anos. O plano de implementação do projeto conta com visitas domiciliares periódicas de equipes com profissionais capacitados em diversas áreas, como medicina, psicologia e pedagogia, para disseminar a informação de forma integral e acessível sobre o desenvolvimento da criança e dos direitos reservados ao núcleo familiar.

O atendimento integral contribui diretamente para ganhos sociais como a diminuição da mortalidade infantil e da evasão escolar, diretamente relacionadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), além de enaltecer uma abordagem equilibrada no desenvolvimento cognitivo, emocional e social da criança. A expectativa do Governo Federal é de que, até o fim de 2018, mais de quatro milhões de crianças estejam sendo atendidas. 

do PNUD