São muitas as oportunidades de atuação conjunta para pavimentar o caminho até 2030, diz PNUD a gestores municipais reunidos em Brasília

16/mai/2017

Foto: Luciano Milhomem/ PNUD Brasil

A XX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios teve início hoje em Brasília. Até o encerramento, no próximo dia 18, deverá contar com a participação de aproximadamente 5 mil prefeitos, que terão a oportunidade de participar de debates com autoridades do primeiro escalão do governo federal e buscar soluções conjuntas para desafios municipais. A Marcha é uma iniciativa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

A abertura do evento teve a presença do presidente da República, Michel Temer, entre outras autoridades dos três poderes, e convidados de organismos internacionais, como o coordenador residente do Sistema ONU e representante do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic, e o diretor de país do PNUD, Didier Trebucq.

Na tarde desta terça-feira 16, o PNUD participou da abertura Congresso Internacional Municipalista, que reuniu, na XX Marcha, representantes de entidades de representação de gestores municipais tanto brasileiras quanto latino-americanas, além de organizações internacionais. No evento, o diretor de país do PNUD destacou as oportunidades de atuação conjunta para facilitar e acelerar o alcance da Agenda 2030 e seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“O PNUD está pronto a auxiliar os municípios na construção de uma visão de longo prazo que se possa refletir nos quatros anos de mandato dos prefeitos, internalizando, assim, os ODS também no plano plurianual e nos orçamentos”, observou Didier Trebucq. Ele lembrou ainda as possibilidades de assessoria política e de parceria na implementação de políticas públicas e programas, entre as diversas opções de ação conjunta.

No início do congresso desta tarde, o vice-presidente da CNM, Glademir Aroldi, chamou a atenção para a necessidade de se ampliarem as discussões para o nível internacional. O presidente da Federação Latino-Americana de Cidades, Municípios e Associações de Governos Locais (Flacma), Rafael Hidalgo, por sua vez, afirmou que a Marcha é espaço para a troca de experiências com os municípios brasileiros e defendeu a união do movimento. “A nossa demanda é a favor da descentralização. Quanto mais articulados e unidos, mais forte será a nossa voz na América Latina”, disse.  

O vice-presidente da Organização de Governos Locais Unidos (CGLU), Iván Arciénega declarou que “o modelo da descentralização está difundido em toda a América Latina”. Já o embaixador da União Europeia no Brasil salientou sua satisfação em ter um diálogo mais próximo com os municípios brasileiros e o lançamento do projeto de Cooperação Urbana Internacional.