Estudo apoiado pela ONU mostra que o voluntariado corporativo aumenta em 16% o engajamento dos funcionários

26/mai/2017

Fruto de uma parceria entre a Santo Caos Consultoria, o Bank of America Merrill Lynch e o Programa de Voluntários das Nações Unidas (UNV) no Brasil, o relatório “Além do Bem – Um estudo sobre voluntariado e engajamento” aborda o chamado voluntariado corporativo — quando uma empresa estimula seus funcionários a serem voluntários em ONGs parceiras ou em projetos sociais desenvolvidos pelas próprias corporações. Iniciativas desse tipo podem aumentar em 16% o engajamento dos empregados no trabalho, segundo a pesquisa.

De acordo com o relatório, instituições privadas que possuem programas de voluntariado corporativo podem se beneficiar dessa estratégia para além de simplesmente “fazer o bem”, como sugere o título do publicação. Lançado no Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio) em abril (27), o documento foi produzido a partir de entrevistas com cerca de 800 pessoas.

“Uma empresa tem muitos benefícios investindo e acreditando no voluntariado”, aponta Jean Soldatelli, sócio-diretor da Santo Caos, que comentou as descobertas do relatório durante o lançamento.

“Além dos benefícios externos, como imagem e relacionamento com a comunidade, muitos benefícios internos. O principal deles é o aumento do engajamento dos funcionários em até 16%.”

Maioria de pessoas que nunca foi voluntária gostaria de ser

A publicação revela que 18% da população brasileira pratica voluntariado. Cinquenta e oito porcento dos voluntários no Brasil são mulheres, e a região que se destaca com o maior número de voluntários é o Sudeste. Para a elaboração da pesquisa, também foram entrevistados representantes de 81 empresas.

O documento aponta ainda que dois terços dos brasileiros que nunca praticaram o voluntariado gostariam de ser voluntários. “Precisamos mostrar mais o resultado que o voluntariado traz, como a oportunidade de desenvolvimento pessoal e conhecer novas realidades”, afirmou Jean.

Além de mostrar as principais motivações de quem faz boas ações, o estudo também abrange as percepções de ex-voluntários e não voluntários. O objetivo é reunir indicadores para engajar novos e antigos benfeitores.

Voluntariado corporativo e Objetivos da ONU

Monica Villarindo, associada do UNV Brasil, disse que existem bons programas de voluntariado corporativo no Brasil, mas muitos deles são voltados para atividades assistencialistas, desperdiçando um grande potencial de transformação.

“As empresas, nos seus planos estratégicos, deveriam se juntar aos próprios programas de voluntariado que têm para implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU de uma forma mais transformadora, e que utilizem esse programa de voluntariado que já faz bem para a empresa, que já traz benefícios para os funcionários como engajamento, empoderamento e melhora no ambiente de trabalho, de uma forma que faça uma transformação maior na sociedade”, explica.

O estudo fornece dados importantes para ajudar a ampliar as redes de boas ações no Brasil, que atualmente ocupa o 7° lugar no ranking de voluntariado de países da América Latina.

“As empresas também são responsáveis pelo nosso futuro. É um trabalho de formiguinha que todos nós temos que fazer. Eu só vejo a possibilidade de alcançar todo mundo e não deixar ninguém para trás através do voluntariado”, afirma a especialista sobre a importância dos voluntários e do setor privado no cumprimento das metas da ONU.

O relatório completo está disponível em português e inglês e pode ser solicitado em: http://santocaos.com.br/alemdobem/.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue