Hackfest reúne 180 programadores e desenvolvedores de softwares para fortelecer o combate à corrupção

12/jun/2017

As equipes das dez soluções selecionadas terão um mês para aprimorar as iniciativas e concorrerem aos prêmios finais. Foto: MPPB

Entre os dias 9 e 11 de junho, programadores, desenvolvedores de softwares, designers e profissionais das áreas de Direito e Administração se reuniram em João Pessoa (PB) durante o Hackfest de Combate à Corrupção. Iniciativa do Ministério Público da Paraíba, com apoio institucionald do PNUD, o evento teve 180 inscritos, 17 equipes e, ao longo de 48 horas, foram desenvolvidas soluções tecnológicas para fortalecer a transparência dos gastos públicos.

Dez equipes foram selecionadas como finalistas dos desafios. Elas terão um mês para intensificar e aprimorar os trabalhos para que, em 18 de agosto, participem da segunda etapa do evento, com a entrega das premiações e disponibilização à sociedade dos melhores softwares desenvolvidos.

“O HackFest representa um começo e vem ao encontro de uma nova sociedade de conhecimento, onde a tecnologia é um instrumento. É importante que o cidadão use essa tecnologia para colaborar, participar e ter uma maior visão de tudo que ocorre na sua cidade, no seu estado e no seu país”, disse o promotor de justiça Octávio Gondim Paulo Neto, um dos idealizadores do Hackfest.

Na opinião do diretor administrativo do Ministério Público da Paraíba, Marcos Vinícius Ferreira Cesário, neste ano o evento superou todas as expectativas, tanto de estrutura quanto de pessoal e apoio. “Tivemos uma grande estrutura que agradou a todos os participantes e visitantes, e muitos demonstraram interesse em replicar o evento”, disse.

As equipes vencedoras receberão medalha de ouro, prata e bronze. Quem ficar na primeira colocação receberá um prêmio de R$ 10 mil; as equipes com medalha de prata terão cada uma a premiação de R$ 6 mil; e as com medalha de bronze com R$ 3 mil.

Os prêmios em dinheiro serão pagos por meio do convênio estabelecido entre a Controladoria Geral da União (CGU) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), devendo ser divididos igualmente entre os integrantes das equipes e entregues conforme cronograma do evento.

“O Hackfest demonstra na prática como a Agenda 2030 pode ser implementada com uso da tecnologia, envolvendo diversos atores e com resultados efetivos”, afirmou a analista de mobilização do PNUD, Inalda Beder.

Informações sobre os projetos vencedores do Hackfest podem ser acessadas aqui

*Com informações do Ministério Público da Paraíba.