Garantir que o Executivo cumpra suas responsabilidades é desafio para parlamentares, dizem IPU e PNUD

17/out/2017

Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

A União Interparlamentar (IPU, na sigla em inglês) e o PNUD lançaram juntos, nesta segunda-feira, relatório global em que destacam: os parlamentos estão comprometidos com a fiscalização dos governos (Poder Executivo), mas, na prática, encontram desafios significativos para fazer isso.

Questões como qualificação e recursos são os desafios mais citados para o trabalho de fiscalização por parte dos parlamentos, enquanto o ambiente político, o comprometimento limitado dos governos ou mesmo obstrução e interesses conflitantes reduzem o poder dos parlamentares de executar efetivamente suas funções de fiscalização, afirma o Global Parliamentary Report 2017 (Relatório Parlamentar Global 2017), cujo lançamento ontem coincidiu com a 137ª Assembleia da IPU, em São Petersburgo, na Rússia.

O novo relatório tem como foco o poder do Congresso de fiscalizar as responsabilidades do Governo e faz um apelo por uma ênfase renovada na fiscalização parlamentar por parte de congressistas, integrantes do governo e cidadãos em geral. Sublinha ainda a importância de parcerias mais sólidas entre o parlamento e a sociedade civil. O documento aponta também que há significativa lacuna de informação entre os poderes Legislativo e Executivo, a qual frequentemente prejudica os parlamentos.

Para o Secretário-Geral da IPU, Martin Chungong, “a essência da fiscalização é garantir a responsabilidade pelas ações daqueles que estão no poder, aqueles que governam. Este relatório apresenta maneiras concretas de melhorar a fiscalização. As recomendações estão aqui. Agora, cabe a cada um de nós, fortalecer a fiscalização em cada um de nossos contextos”.

Ao saudar o novo relatório, o Administrador mundial do PNUD, Achim Steiner, afirmou que “fiscalizar o governo é função fundamental do parlamento, algo crucial para garantir que as pessoas recebam serviços essenciais e para que se desenvolva a responsabilidade, tal como está previsto no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 16, sobre paz, justiça e instituições eficazes. Estou seguro de que este relatório dará contribuição significativa para o alcance do desenvolvimento humano sustentável, como concebido na Agenda 2030, e espero que parlamentares de todo o mundo considerem com seriedade as conclusões e recomendações deste documento”.

Mais de 350 parlamentares de 120 países – incluindo congressistas de partidos tanto no governo quanto na oposição, homens e mulheres, sem distinção de idade – contribuíram para as conclusões do relatório.

As principais conclusões do documento são:

  • A fiscalização parlamentar, além de ser uma salvaguarda contra o abuso de poder e a corrupção, ajuda a garantir que as políticas e ações governamentais cumpram os compromissos estabelecidos com cidadãs e cidadãos.
  • Nível significativo de ações de fiscalização está em andamento em parlamentos mundo afora para garantir a responsabilidade dos governos. Em 2015, por exemplo:
  • 103 Câmaras de Deputados em 85 países realizaram mais de 2.200 audiências.
  • Houve mais de 210 mil interrogatórios parlamentares a ministros sobre questões relacionadas a suas respectivas pastas.
  • Estabeleceram-se mais de 100 comissões parlamentares de inquérito (CPIs).
  • Congressistas receberam mais de 300 relatórios de ministérios e secretarias governamentais, principalmente relativos ao cumprimento de serviços por parte dos governos.

No entanto, desafios que restringem a atuação parlamentar para garantir que governos assumam suas responsabilidades incluem questões de capacidade e recursos, assim como ambiente político, comprometimento governamental limitado e conflito de interesses.

O relatório estabelece um cenário para o fortalecimento da fiscalização parlamentar como prioridade máxima para o parlamento, incluindo outras prioridades, tais como o fortalecimento do mandato e da qualificação para fiscalizar, a fiscalização com apoio de parceiros, o uso adequado dos poderes de fiscalização do parlamento, a conquista do apoio público para a fiscalização e o aproveitamento de oportunidades disponíveis aos congressistas para constituir o ambiente de fiscalização.

Para mais informações:

Na IPU:

Jean Milligan, Tel.: +41 22 919 41 89, Mobile: +41 79 854 31 53, e-mail: press@ipu.org

No PNUD:

Charles Chauvel, Team Leader, Inclusive Political Processes, Democratic Governance and Peacebuilding Cluster, Bureau for Policy and Programme Support, email: charles.chauvel@undp.org  Tel: +1 917 318 4717 

Sangita Khadka, Communications Specialist, UNDP Bureau for Policy and Programme Support, email: sangita.khadka@undp.org; Tel: +1 212 906 5043

 

Acesse o relatório (em inglês):

http://www.undp.org/content/undp/en/home/librarypage/democratic-governance/parliamentary_development/global-parliamentary-report-2017.html

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue