Com o apoio das agências da ONU que integram o Grupo Temático de Gênero, Raça e Etnia, mulheres indígenas adotam o Dia Laranja no Acampamento Terra Livre. Foto: Karina Zambrana

Mulheres indígenas que participam do Acampamento Terra Livre, em Brasília, anunciaram, nesta quarta-feira (25 de abril), a adesão à campanha Una-se pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Lançado pelo secretário-geral das Nações Unidas em 2008, a iniciativa mobiliza instituições e coletivos em todo o mundo para sinalizarem espaços e vestirem a cor laranja, nos dias 25 de todos os meses, como simbolismo na luta contra a violência de gênero.

A entrada das indígenas brasileiras na campanha reforça a pauta de reivindicações políticas dessa população, que apresenta dez pontos prioritários, entre os quais estão o fim da violação de seus direitos; o empoderamento político e a participação política; o direito à terra e aos processos de retomada; e os direitos econômicos.

Para Tsitsina Xavante, uma das lideranças articuladoras da ação do dia 25 de abril, ainda é preciso reconhecer como violações as práticas historicamente naturalizadas sobre os corpos das mulheres indígenas. “Quando você ouve que sua avó e sua bisavó foram pegas no laço, o que aconteceu é que elas sofreram violência. Foi estupro”, explica.

Presente ao ato, a analista de programa de Gênero e Raça do PNUD, Ismália Afonso, comentou que a mobilização das mulheres indígenas contra a violência de gênero é um ganho para toda o debate público sobre o tema. “Uma vida sem violência é uma das bases para conquistarmos todos os outros direitos. É preciso reconhecer a complexidade das demandas de todas as mulheres e os desafios próprios de cada grupo da população, como é o caso das mulheres indígenas e negras”, afirma.

 

Icon of SDG 05

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue