Brasil avança na implementação da Agenda 2030

5/jan/2018

Governos, setor privado, sociedade civil e academia promoveram ações para incentivar a adoção dos ODS. Foto: Guilherme Larsen/PNUD.

Para fortalecer a implementação da Agenda 2030, o Brasil avançou em 2017 na formulação de políticas que estimulam a adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nos âmbitos federal, estaduais e municipais. Governos, sociedade civil, setor privado e organismos internacionais promoveram ações que dialogam com o cumprimento dos ODS por meio de ações integradas, para erradicar a pobreza, promover o crescimento econômico e a sustentabilidade do planeta.

“O Brasil avançou de forma preponderante na montagem de uma estrutura de governança que fosse capaz de estabelecer um apoio inicial à caminhada do país até 2030. A chamada Agenda 2030 Brasil se consolidou em 2017 não só com a instalação da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, instância de governança máxima da Agenda brasileira, mas também com a elaboração do Plano de Ação da Comissão para o período 2017-2019”, disse o secretário nacional de Articulação Social da Secretaria de Governo da Presidência da República, Henrique Villa.

Estabelecido a partir de cinco eixos, o Plano propõe desde a universalização da Agenda, para que cada brasileiro possa ser protagonista na implementação dos ODS, como também atividades que dialogam com dois grandes desafios: internalização da Agenda e a localização dos ODS, que é o processo de levar em consideração os contextos subnacionais na realização da Agenda 2030.

O secretário também apontou que o ambiente macroeconômico do país deve estar ajustado aos desafios vinculados à execução do conjutunto de objetivos e metas da Agenda 2030. “Os recursos financeiros próprios só estarão à disposição do desafio assumido em 2015 se, e somente se, a situação macroeconômica do país estiver estabilizada e os meios para a execução da Agenda, disponíveis”, explicou Henrique Villa.

“É papel da Comissão Nacional para os ODS fomentar a construção de um ambiente político favorável à implementação da Agenda 2030. Para isso, é essencial exercer o seu papel indutor da implementação tanto em nível nacional como subnacional, por meio de políticas e incentivos que mobilizem os gestores públicos das diferentes esferas, assim como o setor privado e a sociedade civil, a perceberem os ODS como reflexo dos nossos desafios nacionais e também como uma oportunidade única de avançarmos na superação das desigualdades estruturais que temos no país”, afirmou a coordenadora de políticas públicas da Fundação Abrinq, Maitê Gauto. 

Para fornecer suporte à implementação da Agenda 2030, o PNUD, em seu novo plano estratégico, divulgado em novembro, irá trabalhar com duas plataformas, apoiando iniciativas internacionais e regionais. Por meio de um grupo de conselho de desenvolvimento, serão oferecidos serviços e conhecimentos para promover a integração e eficiência de ações. No âmbito regional, a plataforma irá ajudar os países a desenharem e integrarem soluções para complexos desafios de desenvolvimento que requerem ações multisetorias nos âmbitos econômico, social e ambiental, em linha com os ODS.

“Com o novo plano estratégico, o PNUD posiciona-se como uma organização com visão de futuro, pronta para implementar o mandato ambicioso da Agenda 2030. Vamos trabalhar para avançarmos em soluções integradas para promover o desenvolvimento sustentável, na redução de obstáculos estruturais, aumento da resiliência e redução das desigualdades. Por meio de políticas e programas integrados para erradicação da pobreza e resposta à crises, bem como planejamento e suporte operacional, temos plataformas que garantem a atuação holística para o alcance dos ODS”, diz o diretor de país do PNUD Brasil, Didier Trebucq.

A Plataforma Agenda 2030 (www.agenda2030.org.br ) será alinhada ao plano estratégico global do PNUD para 2018-2021. Além de apresentar uma interface amigável ao cidadão comum, a Plataforma visa a promover a aceleração dos ODS no país, compartilhar boas práticas internacionais e facilitar a inovação do setor público, em interação com outras plataformas setoriais. O seu objetivo principal é auxiliar o Brasil no desenho e na entrega de soluções integradas para seus desafios complexos de desenvolvimento que requerem ações multissetoriais e coerentes que articulem as dimensões econômicas, sociais e ambientais. Nesse contexto, o PNUD atua como catalisador de intervenções que aceleram as transformações estruturais almejadas.

Em 2017 também foi lançada, com o apoio do PNUD, a Rede ODS Universidades, que irá promover atividades de ensino, pesquisa e extensão com foco na Agenda 2030. Entidades de ensino superior públicas e privadas fazem parte da Rede. Para saber mais, acesse aqui.

Para mais informações sobre a Agenda 2030, acesse www.agenda2030.org.br.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue