O PNUD, no âmbito da cooperação técnica com a Secretaria Municipal de Educação de Maceió (SEMED), promoveu na última quinta-feira (5), em Maceió (AL), o Seminário de Volta às Aulas 2018 – que marca de modo simbólico o início do ano escolar da rede municipal de ensino. Nesta 4º edição, o seminário trouxe como tema a Política Municipal de Educação de Maceió e o Processo de Universalização e Inclusão: Avanços e Desafios.

Em um primeiro momento do seminário, o professor César Callegari – Conselho Nacional de Educação – proferiu palestra sobre a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) do Ensino Fundamental e Educação Infantil. O professor apresentou a Base de forma conceitual e prática e explicou de que maneira ela pode ser implementada de acordo com a realidade de cada rede.

“As escolas da rede têm que abrir espaço para que a BNCC seja conhecida de maneira coletiva pelos professores. Desse modo, será possível entender se os direitos propostos estão ou não previstos no currículo da escola. A partir disso, propor, com autonomia, adequações, reorganizações, estratégias metodológicas e planos de aula com base nessa comparação entre o que diz a Base e o que está proposto no currículo da escola. Para isso, é preciso discutir e aprovar em um processo participativo de gestão democrática, bem como dar apoio formativo permanente à esquipe escolar para a implementação dessa nova proposta a ser construída pela rede municipal”, ressaltou Callegari.

Dando prosseguimento à programação, o painel “As Aventuras Pedagógicas da Rede” expôs, de forma lúdica, boas práticas pedagógicas desenvolvidas em 15 escolas do município. Entre essas, três experiências foram apresentadas pelos próprios estudantes, professores e gestores envolvidos, que as relataram sob a ótica da própria escola, com vídeos, fotos e depoimentos.

De acordo com a coordenadora-geral do Projeto SEMED/PNUD, Rita Ippolito, o objetivo maior do encontro foi apresentar projetos representativos que pudessem dialogar com os conceitos e metodologias aplicáveis da Base Nacional, mas que também contribuam para a implementação das orientações curriculares de todas as etapas e modalidades de ensino. Dessa forma, espera-se, também, que as experiências possam repercutir ou servir de inspiração para outras unidades de ensino, tendo em vista que são transversais aos currículos e, desse modo, fortalecem competências e habilidades nos alunos, fazendo com que o processo de aprendizagem se concretize de forma a se respeitar o desenvolvimento cognitivo, emocional e físico desses estudantes.

“Decidimos, junto com a SEMED, apresentar uma série de ações estritamente ligadas ao currículo escolar no sentido de iniciar esse diálogo, de forma concreta, real e verdadeira, para que os protagonistas dessa implementação das orientações curriculares dentro da rede pudessem ter espaço e voz. Para isso, o PNUD contou com a presença de todos os coordenadores da secretaria com os quais desenvolvemos esse trabalho desde o fim de 2013. Acredito que esse será o pontapé para um trabalho de implementação da Base Nacional, a partir da condição de experiência que a escola tem do próprio currículo”, avalia Rita Ippolito.

A secretária municipal de Educação, Ana Dayse Dorea, ressaltou a alegria de  Maceió ter virado referência para o PNUD e destacou a importância de implementar nas escolas o que foi construído ao longo desses cinco anos de parceria. Segundo a gestora, a parceria com a ONU tornou-se o grande ponto de apoio para a Educação pública de Maceió. “A política de educação da rede está organizada, construída e publicada. Os documentos norteadores das políticas de educação da rede pública de Maceió, resultado do projeto de cooperação SEMED/PNUD, são instrumentos propulsores de práticas pedagógicas baseados nas pluralidades das manifestações humanas presentes no dia a dia das escolas”.

A gerente de projetos do PNUD, Renata Ramos, também comemorou o evento: “O PNUD tem a grande satisfação de estar mais um ano cooperando com a Secretaria Municipal de Educação de Maceió nos esforços de alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030, em especial ao ODS 4, que busca assegurar uma educação inclusiva, equitativa e de qualidade e de promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida”.

O evento acontece todos os anos, desde que foi pactuada a parceria com as Nações Unidas, e se consolida como um momento para debater assuntos prioritários para a rede, socializar experiências, motivar os profissionais da educação e fortalecer parcerias estratégicas. Cerca de 500 pessoas, entre autoridades, gestores, professores, coordenadores pedagógicos, estudantes, pais de alunos, especialistas em educação e parceiros institucionais, além de técnicos da SEMED e equipe do PNUD, participaram do seminário que foi inteiramente protagonizado pelos estudantes da rede. O encerramento ficou por conta do grupo teatral Trupeduque.

Projeto SEMED/PNUD

Ao longo de quatro anos, a parceria SEMED/PNUD não apenas cumpriu sua missão inicial – contribuir para melhorar os indicadores do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)  por meio de ações estratégicas e articuladas –, mas, sobretudo, produziu uma série de instrumentos importantes que orientam o trabalho das escolas. Os livros e relatórios produzidos visam colaborar para reorganização da gestão escolar e educacional de Maceió, com o apoio das formações continuadas e novas propostas pedagógicas.

Todos os projetos renderam publicações especiais impressas e digitalizadas, que servem de guia para os profissionais da Educação Municipal e podem ser acessados e baixados gratuitamente nos sites do PNUD ou da Prefeitura de Maceió. Com eles, pais, alunos, professores, gestores escolares, coordenadores pedagógicos e demais interessados em Educação têm à disposição um acervo que relata a história, organiza e sistematiza as experiências da rede, imprimindo um currículo-espelho das diversas culturas e contribuições.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue