Foto: Renato Jorge Marcelo

Nova York, 20 de junho – Desigualdades, bolsões de pobreza permanentes e rápida urbanização estão desafiando os países a cumprirem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, de acordo com o Relatório dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável de 2018, lançado hoje, na sede da ONU, em Nova York. O documento também aponta que a mudança do clima e os conflitos são os fatores que mais contribuem para o aumento do número de pessoas que passam fome e são forçadas a se deslocarem e, consequentemente, reduzem o acesso básico a água e saneamento.

Pela primeira vez em mais de uma década, há 38 milhões de pessoas a mais no planeta que passam fome, número que subiu de 777 milhões em 2015 para 815 milhões em 2016. Segundo o relatório, os conflitos são, atualmente, uma das principais causas que geram a insegurança alimentar em 18 países. Em 2017, o mundo enfrentou a mais cara temporada de furacões no Atlântico Norte já registrada, atingindo perdas econômicas, atribuídas aos desastres, de mais de 300 bilhões de dólares.

Ao mesmo tempo, o relatório revela que mais pessoas estão vivendo em melhores condições de que a uma década atrás. A proporção de trabalhadores, de todo o mundo, que vivem com suas famílias com menos de U$ 1,90 por dia caiu substancialmente nas últimas duas décadas, baixando de 26,9% em 2000 para 9,2% em 2017.

A taxa de mortalidade de crianças com menos de cinco anos de idade caiu praticamente 50% nos países menos desenvolvidos, e a proporção da população com acesso à eletricidade mais do que dobrou entre 2000 e 2016. Entretanto, em 2015, dois bilhões e trezentos milhões de pessoas tinham de defecar a céu aberto. Em 2016, houve mais de 216 milhões de casos de malária, comparados com 210 milhões de casos em 2013, e aproximadamente 4 bilhões de pessoas ficaram sem proteção social naquele ano.

“Sem sabermos onde estamos agora, não podemos guiar nosso caminho para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Para isso, o relatório reflete os desafios para a disseminação de informações acessíveis e confiáveis com foco na Agenda 2030”, disse o Secretário Geral da ONU, António Guterres.

O relatório apresentou uma visão geral com o objetivo de fornecer insumos para o cumprimento dos ODS, adotados unanimamente pelos países-membros da ONU em 2015.

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Econômicos e Sociais, Liu Zhenmin, disse que “a transição para sociedades mais sustentáveis e resilientes também requer uma atuação integrada que reconhece que esses desafios e suas soluções são interligados”.

O relatório destaca também a necessidade de a comunidade global desenvolver soluções seguras, confiáveis e com dados acessíveis e desagregados para o cumprimento dos ODS. Isso requer, segundo o documento, tecnologia e inovação, aumento de recursos e compromisso político para a construção de sistemas de dados sólidos em todos os países.

Dados do relatório:

*As taxas de casamento de crianças continuaram a cair em todo o mundo. No Sul da Ásia, o risco de uma menina casar caiu mais de 40% entre 2000 e 2017.

*Nove em cada dez pessoas do mundo vivem em cidades com poluição do ar.

*Em 2016, o número absoluto de pessoas vivendo sem eletricidade caiu para menos de um bilhão.

*A degradação dos solos ameaça os meios de subsistência de mais de um bilhão de pessoas.

A versão em inglês do Relatório dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2018 está disponível aqui.

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue