Foto: Governo Federal

Na manhã da última terça-feira 28, Dia Nacional do Voluntariado, o governo federal e o PNUD realizaram, no Palácio do Planalto, a premiação Viva Voluntário e o lançamento da plataforma de mesmo nome. O evento foi parte da programação do Programa Nacional de Voluntariado, que combina ações institucionais e ferramentas para incentivar o engajamento dos brasileiros em atividades de impacto social em suas comunidades.

Estiveram presentes autoridades como o Presidente da República, Michel Temer, a primeira-dama, Marcela Temer, o coordenador residente e das Nações Unidas e representante do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic, e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil e Rossieli Soares da Silva, da Educação.

Plataforma Viva Voluntário

Em parceria com o PNUD, o governo brasileiro celebrou o lançamento da Plataforma Digital do Voluntariado, ferramenta que funciona como uma rede social para projetos do setor, possibilitando o encontro entre atividades de instituições e voluntários interessados em se engajar.

“A plataforma Viva Voluntário implanta, digitalmente, a conexão entre as pessoas. É a tecnologia a serviço da capacitação e da aproximação dos cidadãos”, afirmou o presidente Michel Temer em seu discurso durante a cerimônia.

A plataforma recém-lançada disponibiliza vagas de voluntariado em todas as regiões do país. Ao acessar a página, o internauta pode buscar ações em sua localidade ou de acordo com os temas que mais lhe interessam – todas as vagas disponíveis no site estão classificadas de acordo com um Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Em sua fala, Niky Fabiancic, coordenador residente do Sitema ONU e representante do PNUD no Brasil, ressaltou a importância da criação de uma plataforma que divulgue vagas de voluntariado de forma acessível para ampliar o número de conexões entre pessoas de diferentes perfis. “Gostaria de destacar a importância da promoção de voluntariado de caráter inclusivo, proporcionando a todos que desejam a oportunidade do engajamento como voluntários, pois todas as pessoas podem contribuir como atores do desenvolvimento”, observou.

De acordo com dados do Relatório Estado do Voluntariado no Mundo de 2018, produzido pelo PNUD e pelo programa dos Voluntários das Nações Unidas (UNV), mais de um bilhão de voluntários de todo o mundo dedicam seu tempo para fazer a diferença em temas que afetam as vidas de suas comunidades.

“O voluntariado é uma forma poderosa de envolver pessoas em ações de desenvolvimento, pois cada um pode contribuir com insumos valiosos como o próprio tempo, conhecimento e experiência”, disse Fabiancic.

A cerimônia

Para celebrar o voluntariado brasileiro, a cerimônia de comemoração ao dia do voluntário contou com a apresentação de um grupo de crianças e jovens, que fazem parte do projeto Forças no Esporte, do Ministério da Defesa, que cantaram o Hino Nacional Brasileiro e a música Asa Branca.

Para celebrar grupos internacionais que contribuem com o voluntariado, o grupo de universitárias ASEZ, da Coréia do Sul, apresentou uma dança tradicional com leques.

 

Resolução Conselho Nacional de Educação

Durante a cerimônia, o ministro da Educação e o presidente Temer assinaram a Resolução do Conselho Nacional de Educação, que institui diretrizes da educação para o voluntariado na Educação Básica e Superior. A iniciativa faz parte de um conjunto de atividades do Programa Nacional de Voluntariado para fortalecer iniciativas voluntárias nos setores público e privado.

A Resolução visa promover a participação dos estudantes brasileiros em ações de voluntariado, bem como dar diretrizes para que as escolas e universidades possam computar nos currículos acadêmicos as horas de trabalho voluntário dos alunos, fomentando a prática. Além disso, a diretriz busca promover a utilização dos espaços escolares e universitários para ações voluntárias.

“O que o voluntariado pode fazer pela transformação da educação no Brasil? Isso é perceptível quando vemos o potencial dos projetos dos vencedores do prêmio Viva Voluntário aqui presentes”, observou Rossieli Soares da Silva, ministro da Educação, em seu discurso. “Temos, agora, um programa importante dentro da educação, para dar um passo significativo na aproximação das escolas e do voluntariado”.

Cidades-piloto

No evento, foram anunciadas as cinco cidades-piloto que receberão equipes de mobilização para trabalhar com o mapeamento de organizações sociais, arrecadação de recursos, divulgação do programa e estímulo ao uso da plataforma Viva Voluntário. São elas: Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Salvador (BA), Brasília (DF) e Boa Vista (RR).

O prêmio

Duas lideranças e seis entidades foram homenageadas na primeira edição do Prêmio Viva Voluntário, que será concedido anualmente a pessoas e organizações que se destacaram em ações no Brasil.

Na categoria Líder Voluntário, receberam o prêmio Janir Gonçalves Leite, do coletivo de mulheres indígenas artesãs terena, da aldeia Tico Lipú de Aquidauana (MS); e Bruno Costa Lopes de Carvalho, do projeto Curumim Cultural de Samambaia (DF).

Na categoria Voluntariado nas Organizações da Sociedade Civil, venceram as entidades Centro Social da Rua, com o projeto Voluntários do Centro Social da Rua de Porto Alegre (RS), e a Amigos do Bem Instituição Nacional Contra a Fome e a Miséria, com a iniciativa 25 Anos de Voluntariado Amigos Do Bem que desenvolve ações de voluntariado em Alagoas, Pernambuco e Ceará.

O Instituto Nacional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, da Fundação Oswaldo Cruz, foram reconhecidos na categoria Voluntariado no Setor Público pelo trabalho do Núcleo de Apoio a Projetos Educacionais e Culturais (Napec), que promove o tratamento humanizado de pacientes internados no Rio de Janeiro. Outro vencedor dessa categoria foi a Companhia Paranaense de Energia (Copel), que desenvolve parcerias com instituições sociais por meio da chamada pública permanente para todo o Estado do Paraná.

Na categoria voluntariado empresarial, se destacaram os programas de voluntariado da Fundação Telefônica-Vivo, que tem atuação nacional, envolvendo mais de 15 mil voluntários, e da Fundação Cargill, que tem atuação em 12 estados do Brasil.

 

Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue