Foto: Rafael Zart.

Desde seu lançamento em 2015, o socialprotection.org conta com mais de 3.600 membros e 945 atores interessados (stakeholders) cadastrados, além de acervo com mais de 3.700 publicações sobre diversos temas relacionados à proteção social. A plataforma organizou 73 seminários virtuais (webinares), hospedou cinco cursos online e abriga 40 comunidades online.  A plataforma está disponível em inglês e francês e, recentemente, ganhou uma versão também em espanhol. (Clique aqui para se cadastrar gratuitamente na plataforma em inglês).

Os números contam apenas parte da trajetória. Socialprotection.org é a primeira plataforma não vinculada a uma instituição. O objetivo é promover o compartilhamento de conhecimento e o fortalecimento das capacidades institucionais entre formuladores de políticas, profissionais e especialistas sobre políticas e programas eficientes de proteção social, com base nas experiências de países de baixa e média renda. Uma das principais características é o fato de a plataforma ser um espaço colaborativo, onde as pessoas interagem diretamente para compartilhar conhecimento.

“Por nos basearmos em uma abordagem colaborativa, nosso objetivo é que os usuários se apropriem da plataforma. Eles podem adicionar o conteúdo que considerarem relevante e adaptar as ferramentas para finalidades específicas. Por exemplo, eles podem criar uma pesquisa usando a ferramenta de pesquisa ou lançar uma comunidade online”, afirma a coordenadora da plataforma e oficial sênior de projetos do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), Mariana Balboni. “Todo o conteúdo divulgado na plataforma, seja webinares, cursos ou publicações, é totalmente gratuito”.

Além disso, todo o conteúdo publicado na plataforma é revisado por sua equipe de gestão de conhecimento e categorizado de acordo com a taxonomia personalizada para facilitar a pesquisa eficiente. A plataforma fornece acesso aos mais recentes e relevantes estudos e publicações tanto de grandes agências e organizações internacionais, quanto de pequenos centros de pesquisa.

Como parte da estratégia de compartilhamento de conhecimento, os webinares gratuitos da plataforma são valiosa ferramenta de aprendizado interativo. Abordando diversos temas relacionados à proteção social, os webinares são realizados com instituições parceiras todas as quintas-feiras.

“Frequentemente recebemos solicitações dos membros da plataforma, de instituições ou de parceiros para lançar seminários virtuais para divulgar um novo estudo, por exemplo. Ou eles entram em contato conosco para organizar um seminário virtual sobre um assunto específico. Isso mostra claramente a compreensão deles de que organizar um webinar por meio do socialprotection.org é uma estratégia valiosa para suas instituições e projetos”, diz Balboni.

A troca de conhecimento e o debate seguem depois que as sessões dos webinares terminam: a gravação do webinar é disponibilizada no canal do socialprotection.org no YouTube, as apresentações em PowerPoint são compartilhadas, e os resumos das sessões são preparados e publicados como postagens no blog na plataforma.

Embora o socialprotection.org tenha começado como repositório de publicações sobre proteção social, ele evoluiu, nos últimos três anos, para uma plataforma interativa completa, com diversos recursos. Um deles é o Blog semanal, implementado após as sugestões de usuários fornecidas na Pesquisa Anual de Satisfação. Qualquer usuário cadastrado pode fazer uma postagem no blog sobre temas relacionados à proteção social, desde que respeite as diretrizes da plataforma.

Outro destaque é a ferramenta Campus Virtual , na qual estão disponíveis cursos online, produzidos em colaboração com organizações parceiras. Desde seu lançamento, já se realizaram dois cursos ministrados por instrutores.

O primeiro foi o curso online TRANSFORM, adaptação do currículo de oito módulos "Currículo de Liderança e Transformação na Construção e Gestão de Pisos de Proteção Social na África". O curso foi desenvolvido por um grupo de agências, liderado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o UNICEF e o Projeto do Sistema de Proteção Social da União Europeia (EU-SPS). Ele atende principalmente aos formuladores de políticas e profissionais africanos, promovendo atividades colaborativas, como aprendizado entre pares e discussões em grupo.

O segundo curso online de capacitação abordou o uso da análise da pobreza na formulação, na implementação e no monitoramento e na avaliação de políticas multisetoriais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 1 e 2.  Elaborado em conjunto pelo IPC-IG e pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o curso já foi oferecido duas vezes neste ano no Panamá (em espanhol) e no Marrocos (em francês) e fez uso extensivo das ferramentas digitais do socialprotection.org nas fases virtuais, presenciais e de coaching.

Três anos após o lançamento do socialprotection.org, sua equipe acumulou considerável experiência no uso de ferramentas online para a promoção do compartilhamento de conhecimento e no fortalecimento de capacidade em questões de proteção social. Essa experiência levou à criação e manutenção de comunidades online bem-sucedidas e relevantes, com moderação ativa na promoção constante de novos debates.

“Comunidades online também podem ser associadas a webinares específicos, e essa combinação pode potencializar o conhecimento produzido e compartilhado em qualquer tema específico. Elas também podem ser criadas como pequenas comunidades fechadas para serem usadas como grupos de trabalho privados”, explica Balboni.

A plataforma socialprotection.org é financiada pelo Departamento de Relações Exteriores e Comércio do Governo da Austrália (DFAT) e pela Agência Alemã de Cooperação (GIZ), em nome do Ministério Federal Alemão de Desenvolvimento Econômico e Cooperação (BMZ). Conta também com o apoio do Grupo de Trabalho das Nações Unidas para o Desenvolvimento do G20 e pelo Conselho de Cooperação Interagências de Proteção Social (SPIAC-B). A plataforma é desenvolvida e hospedada pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado do PNUD.

 

 

Icon of SDG 10 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue