Special Event
Sede da ONU em NY. Foto: UN Photo/Rick Bajornas.

Nova York – O Administrador do PNUD, Achim Steiner, saudou a nomeação, pelo  Secretário-Geral da ONU, de quatro pessoas de nível sênior para compor o time de lideranças do Programa.

Ahunna Eziakonwa, da Nigéria, dirigirá o Escritório Regional para a África; Ulrika Modeér, da Suécia, o Escritório de Relações Externas e Advocacy; Asako Okai, do Japão, liderará a Unidade de Resposta a Crises; e Luis Felipe Lopez-Calva, do México, único homem do grupo, dirigirá o Escritório Regional para a América Latina e o Caribe.

Os quatro novos indicados foram selecionados entre os principais especialistas do mundo em desenvolvimento sustentável, mobilização de recursos, financiamento para o desenvolvimento e em resiliência e recuperação de crises. Os quatros diretores de escritório ocuparão o posto de Secretário-Geral Assistente.

“Estabelecemos um padrão muito elevado, e estou contente que nosso recrutamento tenha encontrado talentos de tão alto nível”, disse Achim Steiner. “Minha equipe de líderes representa agora 10 países, de cada uma das regiões em que o PNUD presta serviços, e tem um equilíbrio de gênero de 50/50, refletindo meu compromisso de reunir talentos de padrão mundial que representem a diversidade geográfica e de gênero, e apresentem um conjunto de perspectivas e conhecimentos necessários para alcançar nosso mandato sobre desenvolvimento humano sustentável. Recebo calorosamente os quatro na família PNUD”.

Biografias

A Sra Ahunna Eziakonwa tem muitos anos de valorosa atuação nas Nações Unidas, mais recentemente como Coordenadora-Residente da ONU e Representante-Residente do PNUD na Etiópia desde 2015. Antes disso, ela serviu como Coordenadora-Residente em Uganda e Lesoto e ocupou diversos cargos no Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), como chefe da Seção para África em Nova York e em várias representações (Libéria, Serra Leoa). Ela também trabalhou para os Departamentos das Nações Unidas de Operações para a Paz e de Informação Pública em Nova York. Antes de ingressas nas Nações Unidas, Eziakonwa ocupou uma série de postos sêniores em organizações da sociedade civil na África. Eziakonwa tem mestrado em assuntos internacionais pela Escola de Assuntos Internacionais e Públicos da Universidade de Columbia, com foco em Desenvolvimento Político e Econômico, além de bacharelado em Educação, Inglês e Estudos Literários pela Universidade de Benin, na Nigéria. Nascida na Nigéria, Eziakonwa é casada e tem uma filha.

A Sra. Ulkira Modéer é atualmente Secretária de Estado para a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e o Clima e tem sido essencial na reformulação da cooperação internacional para o desenvolvimento da Suécia para apoiar o alcance da Agenda 2030. Durante seu mandato como Secretária de Estado, Modéer contribuiu para a política global em questões relevantes para o PNUD, incluindo igualdade de gênero, reforma da ONU, financiamento do sistema multilateral, clima e meio ambiente, prevenção de conflitos e desenvolvimento humanitário. Modéer combina sólido histórico político com experiência em trabalho parlamentar, bem como da sociedade civil, e assumiu diversas missões na América Latina (Bolívia, Guatemala) e África (Moçambique, África do Sul). Nascida em 1969, Modéer é bacharel em Relações Internacionais pela Universidade de Gotemburgo, na Suécia. É fluente em sueco, inglês e espanhol. Ela é casada e tem três filhos.

A Sra. Asako Okai tem mais de 30 anos de reconhecida experiência no serviço estrangeiro japonês e nas Nações Unidas, mais recentemente como Cônsul Geral do Japão em Vancouver, Canadá. Ela exibe largo histórico de trabalho em desenvolvimento, resposta humanitária, gestão de desastres e contrução da paz, tanto em nível estratégico quanto em nível operacional.

 Ao longo de sua carreira, ela participou ativamente da evolução das estruturas internacionais de cooperação em diferentes capacidades, incluindo a concepção de reformas institucionais históricas do aparato de cooperação interncional do Japão e a implementação de mecanismos fianceiros inovadores para apoiar um modelo de financiamento humanitário confiável, como diretora de Assistência Humanitária do Japão. Okai ocupou diversos postos diplomáticos de nível sênior ao redor do mundo e atuou proximamente à Sede das Nações Unidas, tanto na Missão Permanente do Japão para a  ONU quanto como Membro Sênior do Gabinete do Presidente da 66ª Assembleia Geral da ONU. Okai é mestre em História da Arte pelo Emmanuel College, da Universidade de Cambridge, e é bacharel em Direto pela Universidade de Hititsubashi, Japão. Nascida em 1966, ela é casada.

O Sr. Luis López-Calva atualmente administra a área de ação global em pobreza e igualdade (Europa e Ásia Central) no Banco Mundial. Ele foi o co-diretor e principal autor do Relatório Global de Desenvolvimento de 2017 sobre “Governança e Direito”. Antes, foi economista-chefe e assessor em Pobreza Regional na Região da Europa e Ásia Central do Banco, e economista-chefe da Unidade de Pobreza, Equidade e Gênero na Diretoria de PREM da América Latina e Caribe, também no Banco Mundial. De 2007 a 2010, atuou como economista-chefe para América Latina e Caribe do PNUD em Nova York.

López-Calva foi editor associado do Journal of Human Development and Capabilities e é membro da Human Development and Capabilities Association. Ele foi também presidente da Rede sobre Desigualdade e Pobreza na Associação Econômica da América Latina e do Caribe. Seus interesses de pesquisa têm foco em mercado de trabalho, pobreza e desigualdade, instituições e microeconomia do desenvolvimento. Ele apresentou pesquisas em instituições de renome, como Universidade Harvard, Universidade Stanford, Universidade da Califórnia-Berkeley, Universidade da Califórnia-San Diego e Centro de Desenvolvimento da OCDE. Tem mestrado em Economia pela Universidade de Boston e também mestrado e doutorado em Economia pela Universidade Cornell.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue