Mulheres e meninas têm sofrido, em um contexto global, diversos tipos de abuso e violência. E, por muito tempo, a impunidade, o silêncio, a desonra e a vergonha colaboraram para a continuidade dessa violação de direitos humanos. No entanto, nos últimos anos, campanhas de conscientização sobre o tema têm procurado trazer à luz histórias de milhares de vítimas, que precisam ser escutadas com atenção.

É nesse sentido que o PNUD se une, mais uma vez, à campanha anual de 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, que começa em 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, e termina em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Sob a liderança do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a campanha pelo fim da violência contra as mulheres da ONU (UNiTE) tem utilizado, nos últimos anos, a cor laranja como marca de suas atividades globais, de forma a simbolizar um futuro melhor. Por isso, em 2018, o tema da campanha é Pinte o Mundo de Laranja: #MeEscuteTambém, que segue o rompante de movimentos globais como o #NenhumaAMenos (#NiUnaMenos), #MeToo e #TimesUp para trazer ao primeiro plano as vozes de mulheres e meninas que sobreviveram à violência e que estão lutando por seus direitos diariamente. Além disso, a proposta das Nações Unidas é expressar apoio às vítimas de assédio sexual e de outros tipos de abuso, muitas das quais vieram a público ao longo do ano passado para denunciar agressões e agressores.

Na última segunda-feira (19), durante evento  que marcou o lançamento da campanha, na sede da ONU, em Nova Iorque, Guterres condenou a violência de gênero: 'No seu âmago, a violência contra as mulheres e meninas, em todas as suas formas, é a manifestação de uma profunda falta de respeito, o fracasso dos homens em reconhecer a igualdade e a dignidade inerentes às mulheres. É um problema de direitos humanos fundamentais".

Tais violações afetam diretamente o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para a oficial de Gênero e Raça do PNUD, Ismália Afonso, os 193 países que se comprometeram com as metas da Agenda 2030 reconheceram a necessidade de destacar uma meta específica para a eliminação da violência contra mulheres e meninas e, agora, todos os Estados nacionais, governos, sociedades, organizações, academia e indivíduos têm o compromisso de alcançar esse objetivo comum. "Afinal, se metade da população vive sob o risco de violência simplesmente por ser mulher, o desenvolvimento humano dos países fica comprometido. A violência estrutura a vida das mulheres de tal forma que impacta diretamente sua expectativa de vida, renda e anos de estudo", afirma Afonso.

Uma série de estudos a nível internacional têm comprovado o impacto da violência de gênero para o desenvolvimento sustentável. Pesquisa deste ano da Care International, por exemplo, indica que o custo da violência contra mulheres pode chegar a cerca de 2% do Produto Interno Bruto global. Isso equivale a 1,5 trilhão de dólares, aproximadamente o tamanho da economia do Canadá. Por sua vez, relatórios recentes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estimam que, atualmente, há 650 milhões de mulheres e meninas no mundo que se casaram antes de completar 18 anos. De acordo com a entidade, o casamento infantil geralmente resulta em gravidez precoce, isolamento social, interrupção dos estudos, falta de oportunidades para as meninas e maior risco de violência doméstica.

Icon of SDG 05

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue