Foto: Lara Stahlberg / Agência MOC

Doces, geléias, biscoitos, farinha e café especial. Polpa de açaí, de coquinho azedo, de cagaita, araçá, umbu, maracujá nativo, mangaba, acerola, pequi e diversos outros frutos. Extrativistas, técnicos, extensionistas, estudantes, professores. Cerca de trinta pessoas participaram do curso "Boas Práticas de Fabricação (BPF) de Alimentos", realizado entre 1 e 5 de julho, em Montes Claros (MG).

A atividade foi organizada pelo Projeto Bem Diverso, por meio dos pesquisadores e analistas da Embrapa Agroindústria de Alimentos, do Rio de Janeiro, e de parceiros locais, como o Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas, Cooperativa Grande Sertão e EMATER-MG.

O objetivo é contribuir para que os territórios tenham modelos de referência técnica relacionados aos procedimentos de BPF e que os empreendimentos envolvidos possam aprimorar a qualidade dos produtos do extrativismo vegetal, monitorando e inspecionando o local e a higiene na industrialização.

É o caso da Escola Família Agrícola (EFA) Nova Esperança, no Alto Rio Pardo, que atende filhos de agricultores de 60 comunidades da região. De acordo com a diretora Fernanda Santos, a agroindústria é tema de duas disciplinas na escola, e o curso "é uma oportunidade de aprender desde noções de microbiologia até gestão e repassar esses conhecimentos para fortalecer o processo de ensino com os estudantes e as comunidades atendidas pela EFA".

"É importante agregar novas técnicas, não apenas para auxiliar o pessoal na fábrica, mas também os produtores, pois a boa qualidade do produto acabado vem desde o início da produção no campo", completa o membro da cooperativa Grande Sertão Douglas Araújo Moura.

Aulas teóricas e práticas

O curso é estruturado em aulas teóricas e práticas. Ao final, os participantes serão capazes de compreender os fatores relacionados à deterioração de alimentos e suas repercussões na saúde humana e conhecer as práticas para evitá-la; assegurar a qualidade dos alimentos ao longo de toda a cadeia produtiva e ter condições plenas para a elaboração de Manuais de Boas Práticas de Fabricação.

Entre os temas abordados estão microbiologia de alimentos, instalações e operações, princípios de higiene e transporte e armazenamento. Outro tema importante é a rotulagem dos produtos, que, além de garantir a rastreabilidade, informa o consumidor sobre aspectos como a composição, data de validade dos produtos.

"Escolhemos temas costumeiros dentro da agroindústria", explica o pesquisador da Embrapa responsável pela atividade, Fénelon do Nascimento Neto. "Quando uma entidade como a nossa trabalha com a promoção da agroindústria, se torna responsável por aquilo que promove perante o consumidor. Essa é, para nós, a importância do curso", completa.

Novas possibilidades de mercado

A melhora substancial da qualidade dos produtos da sociobiodiversidade, além de facilitar os processos de registro, abre possibilidades de mercado, agregando valor aos produtos e abrindo novas possibilidades de comercialização. "Valorizando o trabalho das agroindústrias comunitárias e o trabalho do extrativista para a conservação da biodiversidade, podemos também ir além do trabalho instalado em campo e intensificar o trabalho no processamento, aumentando o mercado para os produtos ao mesmo tempo em que resgatamos as tradições de cultivo das comunidades", explica o coordenador do projeto e pesquisador da Embrapa, Anderson Sevilha.

Duas cooperativas do Território Alto Rio Pardo, Coopaab e Grande Sertão, que participaram do curso, receberão assessoria contínua para a implementação de boas práticas que visam à segurança dos alimentos. A ideia é que elas possam servir como referência para outras agroindústrias do território.

O Bem Diverso

O Bem Diverso é uma parceria entre a Embrapa e o PNUD, executado com o apoio de organizações do governo e da sociedade civil e com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). A iniciativa abrange ações em outros cinco territórios  e tem a liderança da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. O principal objetivo é conservar a biodiversidade brasileira e gerar renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares.

Icon of SDG 01 Icon of SDG 02 Icon of SDG 08 Icon of SDG 10 Icon of SDG 11 Icon of SDG 12

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue