Foto: UNDP

Nova York – Uma rede de 60 Laboratórios de Aceleração (Accelerator Labs) está em processo de lançamento mundial para testar novas soluções para desafios como a mudança global do clima e o aumento da desigualdade. Lançados em julho por PNUD, Alemanha e Catar, esses laboratórios reunirão ideias de base que contam com novas fontes de dados e experimentação em tempo real focadas em atender às realidades mutáveis do desenvolvimento do século XXI.

"Estamos no começo de uma jornada arrojada, mas nos movendo rapidamente. A fase de instalação de 60 Laboratórios de Aceleração está quase completa após a triagem de 8.000 candidatos. Já estamos recebendo ótimas respostas de parceiros governamentais, centros tecnológicos e laboratórios de inovação ao redor do mundo, que estão interessados em trabalhar com os Laboratórios de Aceleração do PNUD em soluções inovadoras para desafios como a urbanização, os plásticos marinhos e a criação de oportunidades de emprego para os jovens", declarou o Administrador do PNUD, Achim Steiner.

Durante o lançamento dos laboratórios, em Nova York, Steiner esteve acompanhado da Secretária Parlamentar de Estado do Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento da Alemanha, Maria Flachsbarth, e do Diretor Geral do Fundo do Catar para o Desenvolvimento, Khalifa bin Jassem Al-Kuwari. 

Desafios contemporâneos

A velocidade e a complexidade dos desafios atuais são diferentes dos vividos em outros períodos da história, exigindo uma gama igualmente sofisticada de soluções para o desenvolvimento que lidem com problemas complexos e acelerem o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Com a colaboração do Ministério do Meio Ambiente, Terra e Mar da Itália e de outros parceiros, os Laboratórios de Aceleração atenderão a 78 países e desempenharão um papel importante ao repensar o desenvolvimento sustentável em um século que é, muitas vezes, dominado por condições voláteis que os sistemas do século XX não estão equipados para atender. A rede de laboratórios combinará inovações de base com novas fontes de dados e experimentação em tempo real, explorando soluções para questões como a economia circular, o emprego para os jovens e a mudança global do clima.

"Estamos orgulhosos de nos aliar ao PNUD nesse experimento global. Acreditamos que esse é um movimento arrojado que combina com as ambições da Agenda 2030. Ainda temos 10 anos para alcançar os ODS, e a Alemanha está comprometida em investir em novas maneiras que possam acelerar nosso progresso", afirmou Flachsbarth. "O tempo é essencial nesse trabalho e a rede proporciona o laboratório certo para avançar o know-how", concluiu.

O sucesso desses novos laboratórios permitirá que o PNUD identifique inovações locais e ajude a ampliar seu potencial para acelerar o desenvolvimento. "A abordagem de base adotada pelos laboratórios enfatiza a importância de explorar soluções socialmente aceitas e de origem local que tornem as respostas aos desafios de desenvolvimento do século XXI mais eficientes e eficazes", disse Al-Kuwari. "Ao dar um voto de confiança investindo os primeiros 20 milhões de dólares, conseguimos melhorar a entrega de nossos compromissos internacionais nas regiões do Oriente Médio e África", continuou.

Parcerias

Como componente-chave da rede de Laboratórios de Aceleração, o PNUD firmou parcerias com o Ministério do Meio Ambiente, Terra e Mar da Itália, Nesta, MIT e Honeybee Network. Até o momento, os laboratórios atraíram mais de US$ 70 milhões em investimentos – sendo US$ 33 milhões da Alemanha, US$ 20 milhões do Catar, US$ 5,5 milhões da Itália e US$ 20 milhões de parceiros principais do PNUD.

O PNUD procura novos parceiros e investimentos para expandir seu portfólio que testa e desenvolve uma variedade de soluções que correspondam às aspirações dos ODS. 

Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue