Foto: Fundação Telefônica Vivo

Com a proposta de promover a cidadania de maneira integrada e colaborativa, a Fundação Telefônica Vivo criou, em 2005, seu programa de voluntariado empresarial. O alcance entre os funcionários foi expressivo: entre 2017 e 2018, por exemplo, a Fundação registrou 15 mil colaboradores engajados em gerar impacto positivo no entorno das sedes da empresa. O dado representa quase metade dos que trabalham para a companhia no país.

Como reconhecimento, a iniciativa venceu, em 2018, o Prêmio Viva Voluntário, promovido pela Casa Civil em parceria com o PNUD, na categoria Voluntariado Empresarial. Ainda no ano passado, o programa cresceu 20% em relação ao período anterior e chegou a envolver quase 7 mil colaboradores apenas na ação do Dia dos Voluntários Telefônica, atingindo 75 mil beneficiados em 732 ações espalhadas por 47 cidades.

O diretor-presidente da Fundação, Americo Mattar, enfatiza que o programa busca ter significado para a equipe gestora e para seus funcionários. "Uma empresa que não possibilita a um colaborador um dia voltado para práticas externas a sua rotina de contratação tem uma questão de administração séria a observar", afirma. A atendente de call a clientes no Ceará Gabriela Albuquerque, que participou de ações como voluntária, concorda: "Sair da empresa, do ambiente, para viver um dia diferente e participar da vida de pessoas é muito legal".

Propósito

No início, o programa elegia e ofertava atividades apenas a colaboradores que demonstrassem interesse. No entanto, a coordenação percebeu, ao ouvir as histórias dos que atuavam como voluntários, que o potencial da ação de cada um aumentava conforme se tornavam protagonistas dos eventos. Com o amadurecimento do programa, foi determinada a implementação de uma governança participativa, inaugurando novas perspectivas para o envolvimento dos voluntários. "Ao protagonizarem a ação, os participantes conseguem captar seu propósito e se comprometer com a causa", explica Mattar.

Essa abordagem se chama bottom-up (de baixo para cima), uma estratégia em que se compreende a inteligência coletiva como recurso para a gestão de produtos ou serviços, quebrando o paradigma de que apenas a diretoria e a gerência têm capacidade para gerir conhecimento. Na prática, o programa de voluntariado da Fundação Telefônica Vivo usa essa estratégia em dois momentos: na governança colaborativa e na criação dos comitês.

Governança pautada na colaboração

A governança se dá de forma colaborativa por um grupo multidisciplinar: diretores das áreas de Recursos Humanos, Comunicação e Negócios aportam na estratégia do programa; sponsors e executivos contribuem com os comitês na execução dos projetos e na mobilização de recursos; embaixadores fazem a gestão regional; líderes de comitês fazem a gestão local das ações ao longo do ano; e participantes de projetos do Dia dos Voluntários Telefônica são responsáveis por uma das principais frentes do programa.

Além disso, a iniciativa tem um modelo descentralizado de governança, que funciona a partir de 42 comitês e seus mais de 500 integrantes distribuídos pelo Brasil. Esses têm como objetivo aprimorar a gestão do programa, desenvolver competências nos líderes dos grupos e entregar projetos de voluntariado em todo o país, escolhendo as organizações que serão beneficiadas ao longo do ano.

O modelo é fundamental, pois permite ouvir as necessidades locais e respeitar as características culturais de cada região, potencializando o impacto social do programa e mobilizando colaboradores de forma que se sintam efetivamente parte do projeto desde a idealização até a execução. Mensalmente, são organizadas mais de 100 atividades, mobilizando uma média de 600 colaboradores – muitos passam, posteriormente, a ser voluntários das organizações sociais independentemente do programa.

Dia dos Voluntários Telefônica

Realizado anualmente em outubro, o Dia dos Voluntários Telefônica é um momento especial para os colaboradores que comparecem às instituições previamente selecionadas para realizar atividades variadas: reformas, montagem de equipamentos, jardinagem, decoração, capacitações e recreação. Os beneficiários compõem um grupo diverso: crianças, jovens, idosos, moradores de rua, pessoas com necessidades especiais, entre outros.

"Quando vejo todo esse povo da Telefônica aqui dentro conosco, fico sensibilizada e acredito que mudanças são possíveis", afirma a diretora auxiliar do Centro de Orientação e Controle do Excepcional de Curitiba, Luciméri Ceccon Arsie. O Centro foi uma das instituições escolhidas para receber ações no Dia dos Voluntários Telefônica em 2018.

Vacaciones Solidárias

Os colaboradores têm, ainda, a oportunidade de escolher se voluntariar em outros estados ou, até mesmo, em outros países em que a empresa está presente. Nesse caso, eles doam 15 dias de férias e a empresa custeia a viagem, imersiva em realidades culturais e sociais significativas, contribuindo para o potencial de transformação local e humano.

O Vacaciones acontece em duas etapas. A nacional, quando voluntários brasileiros recebem colegas do exterior para ações voluntárias no Brasil, e a Internacional, quando voluntários brasileiros viajam para se unir a colegas de todo o mundo em ações solidárias na América Latina. 

Pense Grande

Além das ações pontuais, a Fundação também criou, em 2017, o programa Pense Grande, em que os voluntários partilham de conceitos importantes para fomentar o empreendedorismo social entre jovens com o uso da tecnologia digital e o design thinking – metodologia de inovação social centrada no ser humano – como base da abordagem, gerando multiplicadores em seus territórios. O Pense Grande já formou mais de 10 mil jovens em todo o país.

Game do Bem

Em 2018, o Game do Bem recebeu o reconhecimento de "Melhor Prática Inspiradora" no prêmio global oferecido pela International Association for Volunteer Effort (IAVE).

O projeto pioneiro foi desenvolvido para possibilitar a prática do voluntariado à distância, por meio de uma plataforma gamificada e interativa com missões baseadas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). As missões são de natureza socioambiental e estimulam o exercício da cidadania. O game permite a navegação por qualquer dispositivo móvel e, ao realizar as missões, o jogador recebe moedas, que podem ser usadas em uma loja virtual.

Icon of SDG 16

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue