Gabriela Studart, Agência MOC

Conhecido como "berço das águas" ou "caixa d’água do Brasil", o Cerrado abriga oito das doze regiões hidrográficas brasileiras e abastece seis das oito grandes bacias do país. A situação atual, no entanto, não faz jus ao título, pois a devastação da cobertura vegetal do Cerrado já alcançou 52%.

No Dia Mundial da Água, 22 de março, à luta dos geraizeiros – populações tradicionais que vivem no Cerrado – somam-se as atividades de restauração do bioma para a recuperação da sua funcionalidade ecológica, com equilíbrio do fornecimento de água, o fortalecimento da segurança alimentar e a segurança da biodiversidade. "Isso aqui é a vida nossa. Quando a gente vê que mais de 50% do Cerrado foi destruído, dá uma dor enorme no coração, porque é muito difícil viver num local sem água", lamenta Madalena Isabel Ferreira, 24 anos, moradora de São João do Paraíso. Ela defende o uso sustentável do ecossistema para garantir qualidade de vida aos filhos e netos.

Para João Ferreira, agricultor nascido e criado no território, a água é uma dádiva divina e está sendo afetada pelo mau uso do homem, deixando o geraizeiro sem esperança na produção familiar.

A recuperação das águas também é uma preocupação do Projeto Bem Diverso, fruto da parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o PNUD, com recursos do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF). O Projeto contribui para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, especialmente: Água Potável e Saneamento (ODS 6), Vida na Água (ODS 14) e Vida Terrestre (ODS 15).

O coordenador do Bem Diverso e pesquisador da Embrapa, Anderson Sevilha, explica que, ao chegar ao Território de Alto Rio Pardo (MG), para trabalhar com uso sustentável da biodiversidade, descobriu-se a necessidade premente de recuperação de suas áreas de Cerrado e de suas águas. "Dentro desse processo, estamos adaptando o trabalho com o manejo do uso da biodiversidade, pensando em como restaurar o Cerrado, as águas e, sobretudo, os povos deste território e sua cultura".

Restauração do Cerrado e das suas águas

Uma das técnicas já desenvolvidas, que tem demonstrado sucesso na restauração ecológica do bioma, é a semeadura direta. Ela ocorre pela reintrodução de todos os estratos do Cerrado (ervas, arbustos e árvores) a partir da plantação de sementes nativas, coletadas pelos próprios moradores da região. A cobertura vegetal do Cerrado é fundamental para garantir os fluxos hídricos. O bioma influencia o regime de chuva das diversas regiões do Brasil, carregando a umidade e o vapor d'água da Bacia Amazônica para as regiões Sul e Sudeste.

O conhecimento das comunidades tradicionais sobre a ecologia do Cerrado, a identificação e interação de suas espécies com a água, solo e fogo são determinantes para o desenvolvimento da rede de restauradores de Alto Rio Pardo. O Projeto capacita os moradores, jovens estudantes e parceiros locais para o desenvolvimento de atividades a partir da unidade demonstrativa de restauração.

"Já fizemos a recuperação na beira das nascentes dos córregos com plantas frutíferas e nativas, e agora estamos com o trabalho de cercamento de mais de 6km de nascente para a contenção de água e o abastecimento do lençol freático". É o que conta o agricultor José da Silva ao salientar a importância da parceria com o projeto para a melhoria de vida de mais de 120 famílias e 360 pessoas da região: "Muitas delas chegam de comunidades vizinhas para pegar água de carro-de-boi, carroção", complementa o morador da comunidade de Roça do Mato.

A preocupação em torno da restauração do ecossistema não é apenas dos geraizeiros. O mundo todo está em alerta, tanto que as Nações Unidas declaram os anos de 2021 a 2030 como a Década sobre Restauração de Ecossistemas. É a oportunidade de todos intensificarem medidas para combater a crise climática e melhorar a segurança alimentar, o fornecimento de água e a biodiversidade. 

Icon of SDG 06 Icon of SDG 14 Icon of SDG 15

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue