Foto: Companhia Paranaense de Energia

O programa Viva Voluntário, resultado de parceria da Casa Civil com o PNUD, deu início em agosto de 2018 a uma missão ambiciosa: criar ferramentas tecnológicas e de sensibilização nacional e regional para promover o voluntariado no Brasil.

Para sumarizar as atividades realizadas em seu primeiro semestre de atuação, o projeto lança seu relatório de atividades de 2018. No documento, é possível acompanhar o desenvolvimento da iniciativa nas cinco cidades brasileiras em que há equipe atuante (Boa Vista, Brasília, Salvador, São Paulo e Porto Alegre), bem como observar a evolução de sua plataforma virtual e de outras atividades de sensibilização conduzidas pelo time.

Coordenação e gerenciamento

O relatório apresenta as instituições responsáveis pela coordenação do projeto, detalhando a estrutura e as responsabilidades de seu Conselho Gestor, o papel do PNUD em sua governança e o perfil das instituições parceiras.

O material traz fotos e textos sobre cada um dos encontros realizados (reuniões ordinárias e extraordinárias de seus 32 membros) e destaca o papel dos conselheiros para as decisões que nortearam o projeto em seus primeiros meses de atuação.

Áreas do programa

O Viva Voluntário tem quatro temáticas principais: o prêmio Viva Voluntário, a Plataforma Nacional do Voluntariado, a atuação local nas cidades-piloto e o marco-legal do voluntariado.

No relatório de atividades, os interessados na premiação podem saber mais sobre cada um dos vencedores em 2018, bem como sobre a cerimônia que aconteceu no Palácio do Planalto em agosto daquele ano.

Em fotos e textos, o material mostra os vencedores na categoria que homenageou os destaques do voluntariado de organizações da sociedade civil: foram premiadas a iniciativa gaúcha Centro Social da Rua, que promoveu 34 edições do "Banho Solidário", possibilitando que mais de 1.700 pessoas em situação de vulnerabilidade social tivessem acesso a duchas quentes. A organização Amigos do Bem, de São Paulo, também foi condecorada pelos 25 anos de trabalho voluntário levando comida, roupas, brinquedos e medicamentos para o sertão nordestino.

Entre os voluntários do setor público, tiveram destaque o carioca NAPEC e o programa de voluntariado da paranaense COPEL. Enquanto o primeiro promove espaços de cultura e aprendizado para pacientes com casos graves de internação hospitalar, o segundo permite que seus colaboradores dediquem até 4 horas mensais de sua jornada de trabalho para o voluntariado.

A Fundação Telefônica Vivo e a Cargill foram as premiadas na categoria de voluntariado empresarial. Os voluntários da Telefônica estão engajados em diversos programas em parceria com instituições sociais e têm acesso a um programa corporativo que permite o uso das férias para voluntariado no exterior. A Cargill promove trabalho voluntário focado em segurança alimentar e tem 10% do quadro de funcionários envolvidos em ações de voluntariado.

O prêmio focou também em líderes voluntários. Nessa categoria, venceram o Coletivo de Mulheres Artesãs da Aldeia Tico Lipú, do Mato Grosso do Sul, e o projeto Curumim Cultural, do Distrito Federal.

O relatório anual do Viva Voluntário dedica também algumas páginas à plataforma virtual do projeto, explicando sua concepção, desenvolvimento e, principalmente, as próximas fases de evolução do portal. Estas prevêem melhorias como uma plataforma de Educação a Distância (EAD) dedicada a cursos gratuitos sobre voluntariado.

Interessados em conhecer as atividades desenvolvidas em território, que envolvem a mobilização local de instituições sociais, realização de eventos de troca de informações e cursos de capacitação também encontram informações na publicação, que detalha o número de reuniões realizadas, bem como visitas de campo, cadastros na plataforma e outros aspectos da metodologia do programa.

Para ler o relatório e acompanhar as ações do projeto, acesse este link

Icon of SDG 16 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue