Pandemia COVID-19

A humanidade precisa de liderança
e solidariedade para combater a Covid-19

 

A pandemia causada pelo novo coronavírus é uma crise de saúde global determinante de nossa época. Desde seu surgimento, no fim do ano passado, o vírus espalhou-se para todos os continentes, com exceção da Antártida. 

Os países estão correndo para retardar a propagação da doença por meio de testes, tratamento de pacientes, rastreamento de pessoas, limitação de viagens, quarentena obrigatória e cancelamento de megaeventos, como torneios esportivos, apresentações musicais e aulas escolares.

A pandemia está se movendo como uma onda - que pode cair sobre as pessoas menos capazes de aguentar. No entanto, a COVID-19 é muito mais do que uma crise de saúde. Ao provocar tensão em cada país que alcança, ela tem o potencial de criar uma devastação social, crises econômicas e políticas que deixarão cicatrizes profundas.

Todos os dias, pessoas perdem emprego e renda, sem perspectiva sobre quando se retomará a normalidade. Pequenas nações insulares, fortemente dependentes de turismo, têm hotéis vazios e praias desertas. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que 25 milhões de empregos podem ser perdidos.

Resposta do PNUD

Todos os países devem agir imediatamente para se preparar, responder e se recuperar. O Sistema ONU auxiliará os países em cada etapa, com foco nas populações mais vulneráveis.

Baseando-se em nossa experiência com outros surtos como Ebola, HIV, SARS, Tuberculose e Malária, bem como a nossa longa história de trabalho com o setor público e privado, o PNUD ajudará os países a responder com urgência e eficácia à COVID-19 como parte de sua missão de erradicar a pobreza, reduzir as desigualdades e construir resiliência a crises e conflitos.

“Já estamos trabalhando intensamente, em conjunto com a Família ONU e outros parceiros em três prioridades imediatas: apoiar a resposta à saúde, incluindo a aquisição e o fornecimento de produtos essenciais para a saúde, sob a liderança da OMS, fortalecendo a gestão e a resposta às crises e abordando os impactos sociais e econômicos críticos”.
Achim Steiner, Administrador do PNUD. 

Em parceria com o WhatsApp, a OMS e o UNICEF, o PNUD criou um hub de informações, que levará assistência médica em tempo real para bilhões de pessoas mundo afora. 

O PNUD uniu-se também à AMV, uma das maiores agências de publicidade do mundo, e ao ator, escritor e comediante Stephen Fry para a campanha “Tweet Zero”, que destaca as ações simples que podem manter as pessoas seguras, como lavar as mãos com frequência, ficar em casa quando sempre que puder e não tocar o rosto. 

É preciso que toda a sociedade limite a disseminação da COVID-19 e amorteça o impacto potencialmente devastador que pode ter sobre pessoas e economias vulneráveis. 

Devemos reconstruir a confiança e a cooperação, dentro e entre as nações, e entre as pessoas e seus governos.

O PNUD também contribuirá para garantir que as respostas de cada país sejam abrangentes, bem como equitativas e inclusivas, de maneira que ninguém fique de fora, e os países possam continuar a progredir no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 

Enquanto fazemos isso, devemos considerar também formas de evitar uma pandemia semelhante. 

Em longo prazo, o PNUD analisará maneiras de ajudar os países a prevenir e gerenciar melhor tais crises e garantir que o mundo faça pleno uso do que aprendemos com esta.

Uma resposta global é agora um investimento em nosso futuro.

 

Ações do PNUD no Brasil

 

"O PNUD está mobilizando todos os seus ativos e parceiros para apoiar fortemente o Brasil na construção e implementação da resposta aos impactos da pandemia da COVID-19, especialmente no que concerne às populações mais vulneráveis. Seguimos com o nosso compromisso de não deixar ninguém para trás."
Katyna Argueta, Representante Residente do PNUD no Brasil. 
Carregando…
Carregando…
Icon of SDG 03

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue