Foto: CITS.

Debater como a inovação e a tecnologia podem acelerar o processo do alcance do desenvolvimento sustentável, com base na implementação da Agenda 2030. Esse é o objetivo do 1° Fórum Global de Inovação e Tecnologia, que começou hoje, no Museu do Amanhã, na cidade do Rio de Janeiro. Ao longo de dois dias, especialistas nacionais e internacionais de governos, do setor privado, da sociedade civil, da academia e de organismos internacionais participarão de discussões sobre segurança alimentar, infraestrutura, trabalho e emprego e desenvolvimento com ênfase na sustentabilidade.

Na abertura do Fórum, o Secretário Geral Assistente da ONU e Diretor para a América Latina e o Caribe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luiz Felipe López- Calva, destacou a ciência e a tecnologia são ferramentas essenciais para enfrentar os desafios dos países.

“Temos que inovar na esfera pública para lidarmos com os desafios e fazermos o melhor uso da ciência e tecnologia e de todas as possibilidades para inovarmos na esfera pública e enfrentarmos os desafios. A Agenda 2030 é basicamente um documento assinado pelos países por meio do qual tentamos alcançar um ideal em que os países, independentemnete de suas ideologias e políticas, busquem os mesmos objetivos para todos os membros das sociedade. Na América Latina, para atingirmos esses objetivos, precisamos melhorar a produção, aumentar a inclusão e sermos mais resilientes", disse o diretor do PNUD.

O professor da Universidade de Sussex, Johan Schot, que participou da abertura ao lado de Luiz Felipe López-Calva, disse que a tecnologia é ferramenta central para o cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. “Temos vários desafios para o alcance do desenvolvimento sustentável, mas a tecnologia é forte aliada nesse processo. Os ODS fornecem um guia para desenvolvermos ações e iniciativas que enfoquem na sustentabilidade”, afirmou Johan Schot.

Coordenador Residente do Sistema ONU no Brasil e Representante Residente do PNUD no país, Niky Fabiancic, destacou, também durante a abertura do evento, que é necessário compreender a revolução atual para o desenho de novas soluções que colaboram com a sustentabilidade e a inclusão nos diferentes países.

“Estamos vivendo a quarta revolução industrial. Modelos de negócios e métodos tradicionais de produção ficam seriamente ameaçados. A inteligência artificial fará com que as empresas, as cidades e os sistemas de saúde,  educação e produção de alimentos, bens e serviços e o mercado de trabalho mudem drasticamente. Este evento busca entender os avanços nas áreas  de pesquisa e as inovações tecnológicas para o setor econômico, bem como incentivar novas soluções sociais e ambientais que auxiliem a sociedade e que os países sejam mais sustentáveis e inclusivos”, disse Niky Fabiancic.

A diretora do Centro Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade, Alice Abreu, destacou que o FITS é um evento para “o compartilhamento de conhecimento e experiências e que terá discussões e debates que promoverão encontros produtivos para o fortalecimento do desenvolvimento sustentável”.

Diretor de Desenvolvimento Científico do Museu do Amanhã. Alfredo Tolmasquim disse que o tema inovação e tecnologia é fundamental para o desenvolvimento do planeta. “A mudança climática é uma realidade. E se não pensarmos em soluções inovadoras sofreremos as consequências”, afirmou.

FITS

O 1° Fórum Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade ocorre entre os dias 28 e 29 deste mês, no Museu do Amanhã, na cidade do Rio de Janeiro. A programação completa do evento está disponível em www.fitsglobal.org, bem como a transmissão ao vivo dos debates. O FITS é uma co-realização entre o Centro Global de Inovação e Tecnolgia em Sustentabilidade, o Museu do Amanhã e o Centro Rio+ para o Desenvolvimento Sustentável do PNUD. 

Icon of SDG 01 Icon of SDG 08 Icon of SDG 09 Icon of SDG 10 Icon of SDG 13 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue