Foto: PNUD Bolívia

Dez anos. Esse é o prazo que todos os países-membros da ONU têm para cumprir as 169 metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Em setembro de 2019, líderes globais, reunidos na “Cúpula ODS”, em Nova York, definiram o lançamento da “Década da Ação”, um movimento que teve início em janeiro para acelerar o cumprimento dos ODS globalmente.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são o primeiro pacto global na história humana para criar um futuro em que ninguém seja deixado para trás. Os 17 ODS foram adotados por todos os países-membros da ONU em setembro de 2015. Eles englobam todos os aspectos do bem-estar humano e do planeta e são um chamado para a ação para erradicar a pobreza, proteger a Terra e garantir que todas e todos possam viver em paz e prosperidade.

Além dos ODS, complementa a Agenda 2030 o “Acordo de Paris”, aprovado em 2015, e que é outro marco pioneiro na agenda global de desenvolvimento sustentável, pelo qual os 196 países e a União Europeia pactuaram em manter o aumento da temperatura global do planeta abaixo dos 2ºC, em comparação com os níveis pré-industriais. Todos os países signatários do “Acordo de Paris” também se comprometeram a adotar as “Contribuições Nacionalmente Determinadas” (NDCs, na sigla em inglês), que os ajudará a cumprir a meta.

A mobilização de recursos financeiros, o aumento das capacidades nacionais e o fortalecimento das instituições, em diferentes níveis, também são ações fundamentais para o alcance do desenvolvimento sustentável nos próximos anos, com o foco de não deixar ninguém para trás. Entretanto, são necessárias ações mais contundentes na medida em que entramos na nova década. Poucos países fizeram as mudanças necessárias para manter as promessas feitas na época da adoção da Agenda 2030.

“Precisamos pensar em novas formas para acelerar as ações para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para garantir que aqueles que estão mais para trás alcancem as metas”, afirmou o presidente da Assembleia Geral da ONU, Tijjani Muhammad-Bande.

A Cúpula de Desenvolvimento Sustentável de 2019 – a primeira desde que a Agenda 2030 foi adotada – trouxe planos concretos de ação rumo ao cumprimento das metas dos ODS. O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, registrou, durante a Cúpula, o progresso feito por governos que começaram a integrar os ODS às suas políticas nacionais, mas disse que os conflitos, a crise global do clima, a violência de gênero e as crescentes desigualdades estavam segurando os avanços dos ODS. De acordo com Guterres, “precisamos redobrar nossos esforços agora”.

Líderes globais, então, anunciaram a “Década de Ação”, que se inicia agora em 2020. O foco principal é acelerar o progresso global rumo ao desenvolvimento sustentável até 2030.

Mudança do clima

A mudança global do clima é uma das principais barreiras para o cumprimento de quase todos os ODS. O relatório “The Heat is On”, lançado em 2019 pela Convenção-Quadro da ONU sobre a Mudança do Clima e o PNUD, destaca que há diversos sinais, em todas as partes do planeta, de que diferentes nações enfrentam os efeitos adversos da mudança do clima. O documento também aponta que nações desenvolvidas focadas na redução das emissões de gases de efeito estufa no longo prazo precisam adaptar suas estratégias para respostas rápidas, por meio de planos de curto prazo. Três pontos são destacados pelo relatório para reverter o atual quadro: dados de qualidade, conectar com as metas dos ODS as ações de combate à mudança do clima e monitorar o progresso das iniciativas.

Acesse aqui o relatório “The Heat is On”.

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue