Foto: Luciano Milhomem

A Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são destaques da pauta que reúne em Brasília, nos dias 5 e 6 de março, secretários de Estado de administração e de planejamento de todo o Brasil. O propósito do evento é fortalecer a reflexão e o debate sobre questões que preocupam os gestores governamentais, em busca de soluções consensuais de áreas-chave da administração pública. Além de representantes do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Administração (CONSAD) e do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Planejamento (CONSEPLAN), o fórum reúne também gestores das Unidades da Federação e outras instituições comprometidas com a gestão pública. Convidado especial, o PNUD participou do primeiro dia do Fórum CONSAD/CONSEPLAN com fala sobre os ODS.

A representante residente do PNUD no Brasil, Katyna Argueta, além de compor a mesa de abertura do evento, teve fala no painel “Agenda 2030 — Planejamento de Médio Prazo Alinhado aos ODS”, realizado no primeiro dia do fórum. Em sua fala, Argueta lembrou os antecedentes da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e discorreu sobre sua importância, impacto e nacionalização. “Uma das mais relevantes contribuições da Agenda 2030 está na quebra do paradigma de desenvolvimento até agora predominante”, disse. Isso se dá, segundo ela, com o reconhecimento da necessidade da sustentabilidade, a natureza multidimensional do desenvolvimento e a integralidade na implementação da própria Agenda 2030.

“Não se trata de cumprir com um compromisso internacional assumido em Nova York, mas de considerar as prioridades nacionais estabelecidas pelos países signatários”, afirmou a representante do PNUD, para quem “os sistemas nacionais de planejamento encontram nessa nova arquitetura uma fonte de renovação de seus objetivos históricos de promoção do desenvolvimento”.

Além da Agenda 2030, o fórum aborda temas como o pacto federativo (a agenda econômica do país, as reformas previstas para 2020 e as PECs), a gestão de ativos (patrimônio, concessões e parceiras público-privadas) e governança pública (as experiências estaduais na OCDE).

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue