Foto: Júlia Matravolgyi

Mesmo para os temas mais delicados, há formas variadas (e criativas) de chamar a atenção e promover o debate. Cientes disso, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) e o PNUD elegeram como um dos focos de sua parceria a prevenção da violência contra mulheres e meninas na região. Entre as atividades promovidas, estão ações tão diversas quanto um curso a distância voltado para as forças de segurança sobre o enfrentamento a todas as formas de violência contra as mulheres; assim como vídeos protagonizados pela Turma da Mônica, que discutem as relações entre homens e mulheres desde a infância.

A parceria tem eixo específico de atividades voltadas à Lei nº11.340 de 2006, a conhecida Lei Maria da Penha, sobre os direitos das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. As ações realizadas estão divididas em duas frentes principais: na primeira, um curso a distância desenvolvido e implementado – dividido em módulos básico e avançado, que totalizam 40 horas de formação – aborda temas como a origem e os fundamentos da violência contra as mulheres; políticas transversais e especializadas; e políticas públicas com perspectiva interseccional. O curso estará disponível para as forças de segurança do DF ainda no primeiro semestre de 2020.

No segundo eixo, há dois vídeos sobre prevenção da violência contra mulheres e meninas voltados ao público infantil apresentados junto a um guia com orientação aos professores focado na temática, uma vez que serão distribuídos para as escolas públicas do Distrito Federal. “Produzir conteúdos em formatos personalizados para diferentes audiências é uma forma de abarcar o caráter multidisciplinar que o combate à violência deve ter”, afirma a gerente de projetos do PNUD, Raíssa Teixeira.

Para a elaboração do curso a distância e roteiro dos vídeos, o PNUD firmou acordo com a ONU Mulheres. Em parceria com a SSP-DF e a Maurício de Sousa Produções, os dois órgãos da ONU ajudaram a elaborar o roteiro de vídeos protagonizados pelos personagens da Turma da Mônica. O primeiro vídeo, com foco em crianças de 7 a 12 anos, é uma animação em 2D de 2 minutos que aborda a possibilidade de meninas e meninos serem e brincarem com o que quiserem, meninos poderem chorar e todos terem responsabilidade por atividades como limpar a casa e guardar os brinquedos.

O segundo desenho animado também tem 2 minutos: nele, personagens da Turma da Mônica Jovem (cujo público tem entre 12 e 16 anos) falam sobre relacionamentos abusivos, ciúmes, controle e formas de apoiar amigos que precisem de ajuda. Os conteúdos serão compartilhados nas escolas da região do Distrito Federal, acompanhados do guia para os professores discutirem com os alunos em sala de aula.

“Atribuir às mulheres toda a responsabilidade do combate à violência seria mais um ato de agressão: este é um dever de toda a sociedade”, enfatizou o secretário executivo de Segurança Pública da SSP-DF, Alessandro Moretti, no ato de lançamento das animações.

Veja os novos vídeos no canal do PNUD Brasil no YouTube:

Turma da Mônica Clássica: https://www.youtube.com/watch?v=2iSk3DVvlYk
Turma da Mônica Jovem: https://www.youtube.com/watch?v=OpFLQt7JELo

Segurança cidadã

Além disso, ao longo do projeto, as ações protetivas na área de gênero foram abordadas de forma transversal nas iniciativas de Convivência e Segurança Cidadã, que enfatizam a importância de ações multissetoriais para a prevenção e o controle da violência.

O entendimento das mulheres enquanto público vulnerável esteve presente em diferentes capacitações do curso de mesmo nome realizado entre novembro e dezembro de 2018, com oito turmas diferentes. O curso abordou desenvolvimento humano, indicadores e públicos vulneráveis, acesso à Justiça e mediação de conflitos, participação social e prevenção da segurança, entre outros. O treinamento reuniu pouco mais de 30 alunas e alunos por turma, totalizando 254 participantes.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue