Foto: Tiago Zenero, PNUD Brasil

Com base em instrumentos como a Década Internacional de Afrodescendentes e a própria Agenda 2030, o PNUD reconhece que enfrentar o racismo é fundamental para sua missão de apoiar os países a erradicar a pobreza e reduzir significativamente as desigualdades e a exclusão social. Uma das ações voltadas a esses objetivos é o projeto de fortalecimento e expansão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (SINAPIR), que conta, atualmente com a adesão de 20 estados e 71 municípios.

Inspirado em experiências como os Sistemas Únicos de Saúde (SUS) e de Assistência (SUAS), o SINAPIR foi criado pelo Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010) com a função de organizar e articular ações voltadas à implementação de políticas e serviços destinados a superar as desigualdades raciais no Brasil. Nesse contexto, o projeto de cooperação internacional mantido entre o PNUD e a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SNPIR), do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), potencializa a implementação desse sistema ao consolidar arranjos institucionais e ampliar a participação federativa.

Desde o início de sua implementação, em 2015, o projeto busca viabilizar a elaboração de instrumentos e o aperfeiçoamento de mecanismos para a criação e o desenvolvimento de órgãos e conselhos voltados à promoção da igualdade racial. Portanto, os objetivos dessa iniciativa envolvem fortalecer os Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros (NEABs), qualificando a participação das universidades no SINAPIR; reforçar a articulação federativa necessária para implementação e ampliação do SINAPIR; e elaborar instrumentos e aprimorar mecanismos para a criação e desenvolvimento de órgãos e conselhos voltados à promoção da igualdade racial.

Resultados alcançados

Para a secretária nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do MMFDH, Sandra Terena, os resultados estão alinhados com as expectativas do projeto, tanto do ponto de vista da aderência dos entes federados ao SINAPIR, que têm a prerrogativa de solicitar a capacitação, quanto no dos resultados práticos, com 86% de avaliação sobre o treinamento com os conceitos de "muito bom" e "ótimo", assim como no retorno de gestores e gestoras de igualdade racial.

"Todos os capacitados são certificados e, com isso, conseguem ampliar o debate local sobre as políticas de promoção étnico-raciais, além da abertura junto aos demais órgãos de políticas públicas locais para realizarem a transversalidade dessas políticas. O maior impacto será avaliado nos períodos seguintes à realização das capacitações, justamente em razão dessa inclusão da pauta étnico-racial", explica Terena.

Para a analista de Gênero e Raça do PNUD Brasil, Ismália Afonso, um dos destaques desse projeto de cooperação internacional é articular diferentes atores para responder aos desafios da igualdade racial no Brasil. "Temos estabelecido diálogos e parcerias com os estados e municípios, com a sociedade civil e as universidades, por meios dos NEABs", enumera.

O Plano Estadual de Igualdade Racial da Paraíba é um dos resultado desse diálogo. "A partir da aprovação do documento na Assembleia Legislativa, poderes públicos estarão comprometidos com diversas ações voltadas à população paraibana, que terá no próprio plano um instrumento para acompanhar sua implementação. Mecanismos de responsabilização e transparência como esse têm sido importantes na história do país para garantir que os compromissos públicos se tornem perenes", avalia a analista.

Conhecimento e informação

A iniciativa tem desenvolvido uma série de oportunidades para que Organizações da Sociedade Civil (OSCs), que atuam diretamente com o tema, executem projetos de apoio à implementação e ao desenvolvimento de políticas públicas de promoção da igualdade racial. Além disso, há um esforço voltado para a formar gestoras, gestores, conselheiras e conselheiros de promoção da igualdade racial com o intuito de levar conhecimento e informação aos principais atores das políticas de promoção da igualdade racial nos estados e municípios de modo a atender às necessidades da população.

Com relação ao impacto nos projetos e editais, em 2018, dos 16 projetos classificados, seis estavam no âmbito do SINAPIR. Em 2019, com novas orientações sobre as iniciativas, esse número subiu para 15 dos 16 projetos.

As consultorias atenderam, desde dezembro de 2018, a um total parcial de 59 capacitações, em 20 estados diferentes, em todas as regiões do país. Nessas intervenções, os temas abordados contemplam políticas afirmativas relacionadas à questão étnico-racial, políticas para povos e comunidades tradicionais, orientação para a elaboração dos planos de igualdade racial para estados e municípios, além do passo a passo para a elaboração de projetos e sua apresentação visando à participação em editais federais.

Outro produto fundamental do projeto é o diagnóstico situacional sobre as políticas de promoção da igualdade racial, que, além de promover o debate local entre a consultoria e os executores locais dessas políticas, permite à SNPIR receber uma base de informação imprescindível para sua avaliação de políticas e parcerias junto aos entes federados.

2020

Os planos para 2020 são aprimorar a capacidade de execução das ações lideradas em conjunto pelas organizações governamentais e não governamentais nos estados e municípios que já aderiram ao SINAPIR. Isso se dará por meio da produção e divugação de manuais e guias que facilitem esse processo, além do estímulo à participação de mais organizações.

Espera-se, ainda, que as capacitações tragam um legado, junto aos estados e municípios, que mudará o patamar na articulação de construção das políticas públicas de promoção da igualdade racial. 

Icon of SDG 10 Icon of SDG 16

PNUD PNUD no mundo

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue