Arte: Rede Brasil do Pacto Global

A crise de saúde provocada pela COVID-19 está gerando recessão com níveis históricos de privação e desemprego, que se converte em uma crise humana sem precedentes ao atingir os mais pobres, principalmente mulheres e crianças. Ao lançar novas diretrizes para apoiar os países no caminho rumo à recuperação social e econômica, as Nações Unidas fazem um apelo para aumentar o apoio internacional e o compromisso político de forma a garantir que as pessoas em todos os lugares tenham acesso a serviços essenciais e proteção social.

As “Diretrizes das Nações Unidas para a resposta socioeconômica imediata à COVID-19: responsabilidade compartilhada, solidariedade global e ação urgente para as pessoas necessitadas” recomendam a proteção de empregos, empresas e meios de subsistência para iniciar uma recuperação segura das sociedades e economias o mais rapidamente possível e percorrer um caminho mais sustentável, com igualdade de gênero e neutro em carbono – melhor do que o “antigo normal”.

“Esta não é apenas uma crise de saúde, mas uma crise humana; uma crise de emprego; uma crise humanitária e uma crise de desenvolvimento. E não é apenas dos mais vulneráveis. Esta pandemia mostra que estamos todos em risco, porque somos tão fortes quanto o sistema de saúde mais fraco. Sua escala sem precedentes exige uma resposta sem precedentes”, disse o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, que apresentou em março seu relatório sobre os impactos socioeconômicos da COVID-19 “Responsabilidade Compartilhada, Solidariedade Global”.

“Tudo o que fizermos durante e após a crise deve estar focado na construção de economias e sociedades mais igualitárias, inclusivas e sustentáveis, mais resilientes diante de pandemias, mudanças climáticas e muitos outros desafios globais que enfrentamos”, afirmou. As novas diretrizes lançadas hoje estabelecem como as entidades da ONU põem em prática essa visão.

O Administrador do PNUD, Achim Steiner, por sua vez, alerta: “Podemos ver que, para grande parte do mundo em desenvolvimento, os recursos financeiros internamente disponíveis são insuficientes neste momento, não somente nos países menos desenvolvidos, mas também nos de renda média, considerados economias em desenvolvimento ou emergentes. Todos estão lutando contra a extraordinária necessidade de mobilizar recursos, primeiro domesticamente, depois internacionalmente”.

As decisões tomadas nos próximos meses serão cruciais para o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), enfatizam as diretrizes da ONU para a recuperação econômica e social.

Considerando que, durante o surto de ebola em 2014, mais pessoas morreram pela interrupção dos serviços sociais e pelo colapso econômico do que pelo próprio vírus, as diretrizes se concentram em proteger as necessidades e os direitos das pessoas mais afetadas pela pandemia, começando pelos países e grupos mais vulneráveis e por aqueles que correm o risco de serem deixados para trás.

Para Steiner, haverá a necessidade de reprogramar o campo do financiamento de apoio ao desenvolvimento e os planos de resposta humanitária , pois "nossa preocupação é que as crises humanitárias existentes não sejam negligenciadas nem privadas de recursos, porque isso criará situações explosivas. Estamos tentando alavancar recursos adicionais no PNUD. Em muitas agências da ONU, discute-se não apenas com empresas e governos, mas também com doadores, de maneira a reconfigurar rapidamente o financiamento disponível para uma resposta rápida."

Ao extrair lições da crise econômica e financeira global de 2008-2009, as diretrizes observam que os países com fortes sistemas de proteção social e serviços básicos sofreram menos e se recuperaram mais rapidamente. Para impedir que bilhões de pessoas caiam na pobreza, governos do mundo todo precisarão se adaptar, estender e ampliar rapidamente os “amortizadores” de segurança, como transferências em dinheiro, assistência alimentar, esquemas de seguro social e benefícios para crianças, com o objetivo de apoiar as famílias.

Para que os impactos da COVID-19 sejam reduzidos, a ONU pede mais apoio para lidar com os desafios futuros, incluindo respostas imediatas de proteção social que consideram impactos diferenciados em grupos vulneráveis, crianças, mulheres, homens e trabalhadores do setor informal. Isso é particularmente urgente, considerando que 4 bilhões de pessoas, mais da metade da população mundial – incluindo duas em cada três crianças – não têm acesso à proteção social ou têm acesso inadequado.

“Estamos enfrentando uma situação muito séria e acho que precisamos buscar os países do mundo desenvolvido para sensibilizá-los. Porque, se não reagirmos, essas crises podem facilmente sair de controle, não apenas em termos de sofrimento humanitário, mas também do ponto de vista geopolítico. Por isso, é tão crítico que a noção de solidariedade não seja apenas a que aplicamos em nossos próprios países e comunidades, mas sim a de uma família global”, finaliza Achim Steiner.

Síntese das diretrizes

A ONU se concentrará em cinco eixos-chave em sua resposta, que coloca as comunidades no centro dos esforços de recuperação:

  1. Proteger os serviços de saúde existentes e fortalecer a capacidade dos sistemas de saúde para responder à pandemia.
  2. Ajudar as pessoas a lidar com as adversidades, por meio da proteção social e de serviços básicos.
  3. Proteger empregos, apoiar pequenas e médias empresas e trabalhadores informais por meio de programas de recuperação econômica.
  4. Orientar o aumento necessário de estímulos fiscais e financeiros para fazer com que as políticas macroeconômicas trabalhem para os mais vulneráveis e fortalecer as respostas multilaterais e regionais.
  5. Promover a coesão social e investir em sistemas de resiliência e resposta liderados pela comunidade.

Esses cinco fluxos são conectados por ações no sentido de atender à necessidade de sustentabilidade ambiental, para que os países tenham uma retomada e se “recuperem melhor”, mais bem preparados para enfrentar choques futuros, incluindo pandemias.

Equipes da ONU que cobrem 162 países e territórios lançarão este plano de recuperação entre os próximos 12 e 18 meses, sob a liderança dos coordenadores-residentes da ONU, apoiados por uma rede de especialistas globais e regionais. Como líder técnico nos esforços de recuperação socioeconômica, o PNUD apoiará os coordenadores-residentes, com as equipes da ONU, trabalhando em unidade em todos os aspectos da resposta.

Embora proporção significativa do portfólio de programas de desenvolvimento sustentável de US$ 17,8 bilhões existente entre entidades da ONU tenha de ser ajustada às necessidades da COVID-19, dada a escala do impacto socioeconômico da pandemia, serão necessários fundos adicionais. Para apoiar esses esforços, o Secretário-Geral lançou o Fundo de Resposta e Recuperação das Nações Unidas à COVID-19, um mecanismo de fundos entre agências da ONU para ajudar os países de baixa e média renda a superarem a crise de saúde e desenvolvimento causada pela COVID-19 e apoiar as pessoas mais vulneráveis diante das dificuldades econômicas e das perturbações sociais. Os recursos financeiros do Fundo estão estimados em US$ 1 bilhão nos primeiros nove meses e serão posteriormente revisados. O Secretário-Geral também pediu uma resposta multilateral que represente pelo menos 10% do Produto Interno Bruto (PIB) global para montar a resposta mais eficaz frente à mais grave crise que o mundo já viu.

Não haverá retorno ao “antigo normal”, afirma o documento com as diretrizes. A pandemia é um golpe para as economias emergentes e em desenvolvimento que já enfrentam restrições vinculativas da dívida e espaço fiscal limitado, com vários países em desenvolvimento precisando de alívio urgente da dívida. Seus impactos serão especialmente devastadores para os países mais vulneráveis – aqueles em contextos humanitários ou de conflito.

As Nações Unidas pedem também um reaproveitamento fiscal e financeiro maciço nas próximas semanas e meses, incluindo o redirecionamento dos subsídios aos combustíveis fósseis para ajudar na resposta. A ONU ressalta que o status quo e os "negócios de sempre" são escolhas políticas e não são inevitáveis. Para um desenvolvimento sustentável que beneficie mais pessoas, a decisão deve ser por uma recuperação frente à COVID-19 rápida, justa, verde e inclusiva.

* Com informações da ONU Brasil

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue