Crédito da foto: CNJ

Pessoas que saíram do sistema prisional e suas famílias têm agora acesso mais fácil a serviços e a políticas de apoio para a retomada da liberdade. Trata-se do aplicativo Escritório Social Virtual (ESVirtual). 

Em desenvolvimento há dois anos, o ESVirtual é resultado de colaboração entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Universidade de Brasília (UnB) e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), por meio de acordo com o governo do Distrito Federal. Há, ainda, parceria com a Kroton e a Fundação Pitágoras (Cogna Educação) para a oferta de conteúdos de qualificação gratuitos.

A iniciativa está inserida no contexto da parceria em andamento desde 2019 entre o CNJ e o PNUD para a superação de desafios estruturais no campo da privação de liberdade, o programa "Fazendo Justiça", que tem, ainda, o apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública por meio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

O aplicativo facilitará o acesso a serviços como emissão de documentos e acompanhamento da situação processual, assim como a políticas de moradia, saúde e alimentação, além de qualificação e encaminhamento profissional com a nova fase do programa Começar de Novo. Anualmente, cerca de 460 mil alvarás de soltura são expedidos no país, segundo dados do Executivo Federal.

O ESVirtual teve lançamento oficial na terça-feira 20 no canal do CNJ no YouTube . A cerimônia, transmitida ao vivo, marcou também os cinco anos dos Escritórios Sociais. O presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, ministro Luiz Fux, participou do evento e lembrou o que diz a Constituição Federal, "que promete acima de tudo uma sociedade justa, com erradicação de desigualdades, sem preconceito."

A representante-residente do PNUD no Brasil, Katyna Argueta, que também participou do lançamento, destacou: "A construção de sociedades mais pacíficas, justas e inclusivas deve passar, necessariamente, pela garantia de oportunidades e direitos a todas as pessoas." 

Argueta lembrou ainda que "o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 16 traz, como sua terceria meta, 'Promover o Estado de Direito e garantir a igualdade de acesso à justiça para todos'. Sendo assim, o alcance da Agenda 2030 requer que sejam criadas oportunidades de desenvolvimento e seja garantido o acesso equitativo a essas oportunidades, incluindo as camadas mais vulneráveis da população, como as pessoas que cumpriram suas penas e desejam um retorno digno e humanizado ao convívio social. Nessa perspectiva, a oferta de oportunidades de reintegração social pós-cumprimento de pena é não só uma prerrogativa do Estado mas se configura também condição essencial para o desenvolvimento do país."

Icon of SDG 16 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue