Foto: Luiz Gonçalves Martins.

Nova York, 3 de dezembro de 2020 - Graves efeitos de longo prazo da pandemia de COVID-19 podem empurrar mais 207 milhões de pessoas para a pobreza extrema no auge da atual trajetória da pandemia, elevando o total para mais de 1 bilhão até 2030, de acordo com estudo divulgado hoje pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Mas essa não é uma conclusão inevitável: com um conjunto focado de investimentos para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), mais 146 milhões de pessoas poderiam ser retiradas da pobreza extrema em comparação com as tendências atuais da COVID-19.

O estudo, parte de uma parceria de longa data entre o PNUD e o Pardee Center for International Futures da Universidade de Denver, avalia o impacto de diferentes cenários de recuperação da COVID-19 nos ODS, avaliando os efeitos multidimensionais da pandemia na próxima década.

O cenário 'Linha de Base COVID', baseado nas taxas de mortalidade atuais e nas projeções de crescimento mais recentes do Fundo Monetário Internacional (FMI), prevê 44 milhões de pessoas a mais vivendo na pobreza extrema até 2030 em comparação com a trajetória de desenvolvimento em que o mundo estava antes a pandemia.

Em um cenário de 'Grandes Danos', em que a recuperação é prolongada, a COVID-19 provavelmente empurrará mais 207 milhões de pessoas para a pobreza extrema até 2030 e aumentará o número de mulheres na pobreza em 102 milhões adicionais em comparação com a Linha de Base, diz o relatório. O cenário de Grandes Danos prevê que 80% da crise econômica induzida pela COVID-19 persistirá no prazo de 10 anos devido à perda de produtividade, impedindo uma recuperação completa da trajetória de crescimento vista antes da pandemia.

No entanto, o estudo também aponta que um conjunto focado de investimentos em ODS, durante a próxima década, voltados para programas de proteção social / bem-estar, governança, digitalização e uma economia verde poderia não apenas prevenir o aumento da pobreza extrema, mas na verdade exceder a trajetória de desenvolvimento mundial anterior à pandemia.

Esse ambicioso, porém viável cenário de 'Impulso dos ODS' retiraria mais 146 milhões de pessoas da pobreza extrema, diminuiria a lacuna de gênero/pobreza e reduziria o número de mulheres na pobreza em 74 milhões, mesmo levando em consideração os impactos atuais da pandemia de COVID-19.

“Como esta nova pesquisa sobre a pobreza destaca, a pandemia de COVID-19 é um ponto de inflexão, e as escolhas que os líderes fizerem agora poderão levar o mundo em direções muito diferentes. Temos a oportunidade de investir em uma década de ação que não apenas ajude as pessoas a se recuperarem da COVID-19, mas que restabeleça o caminho do desenvolvimento das pessoas e do planeta em direção a um futuro mais justo, resiliente e verde ”, disse o Administrador do PNUD, Achim Steiner.

As intervenções pelos ODS, como sugeridas pelo estudo, combinam mudanças comportamentais por meio de estímulos para governos e cidadãos, como melhores eficácia e eficiência na governança e mudanças nos padrões de consumo de alimentos, energia e água. As intervenções propostas também enfocam a colaboração global em mudança do clima, investimentos adicionais na recuperação da COVID-19 e a necessidade de melhor acesso à banda larga e de inovação tecnológica.

O estudo também conclui que os investimentos do 'Impulso dos ODS' têm um potencial significativo para estimular o desenvolvimento humano em estados frágeis e afetados por conflitos, dado que a maioria dos 146 milhões de pessoas adicionais que seriam retiradas da pobreza vivem nesses locais, incluindo 40 milhões de mulheres e meninas.

Este é o primeiro lançamento de uma série de relatórios do PNUD sobre o impacto da COVID-19 nos ODS. Ele se concentra nas implicações da pandemia na pobreza, educação, saúde, nutrição e igualdade de gênero - áreas conhecidas também como metas do conjunto ‘Pessoas’ da Agenda 2030. No início de 2021, as publicações subsequentes compartilharão novas percepções sobre o impacto em outras dimensões da Agenda 2030 - com foco nas metas relacionadas aos grupos Prosperidade, Paz e Planeta.

Para acessar o estudo em inglês: https://sdgintegration.undp.org/accelerating-developmentprogressduring-covid-19.

 

Icon of SDG 01 Icon of SDG 03

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue