Foto: Ministério da Cidadania

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em projeto conduzido em parceria com o PNUD, lança amanhã (12/8) o estudo “Pesquisas acadêmicas relacionadas à primeira infância no Brasil: uma descrição bibliométrica”, elaborado pela equipe de pesquisadoras e pesquisadores do projeto que visa ao fortalecimento da gestão de informações sobre a atenção às crianças na primeira infância no Sistema de Justiça brasileiro. A iniciativa compõe o Diagnóstico da Situação de Atenção à Primeira Infância no Sistema de Justiça – uma das ações do Pacto Nacional pela Primeira Infância, idealizado e articulado pelo CNJ.

O evento inaugura o ciclo de publicações dos materiais planejados para o Diagnóstico da Primeira Infância e está aberto a toda comunidade acadêmica, aos agentes públicos e aos demais interessados.

“O evento dá início à divulgação dos materiais em produção por mais de 20 pesquisadoras e pesquisadores que se dedicam à investigação que visa compreender e caracterizar o atendimento oferecido às crianças e a suas famílias. Os frutos desse esforço de pesquisa serão duradouros e certamente vão apoiar o aprimoramento do atendimento oferecido às crianças e a suas famílias”, explica a Coordenadora Técnica de Projetos do PNUD Raíssa Teixeira.

O material produzido apresenta uma síntese do cenário de produções acadêmicas sobre a temática, evidenciando os períodos e anos de mais frequência das publicações, bem como sua distribuição geográfica, respectivas áreas de conhecimento e delineamento metodológico do que tem sido produzido nos últimos anos sobre a primeira nfância.

No conteúdo inédito, estão incluídas quatro temáticas que se relacionam como o Sistema de Justiça e com a Rede de Proteção: mulheres presas e adolescentes em regime de internação que estejam grávidas e/ou sejam mães de crianças até 6 anos de idade; proteção da criança na dissolução da sociedade conjugal; destituição de poder familiar, adoção e tráfico de crianças; e famílias acolhedoras e unidades de acolhimento.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue