A Casa Civil e o PNUD realizaram, nesta sexta-feira (26), o primeiro seminário online da série para a promoção do intercâmbio de conhecimento sobre o processo de acessão à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, fez a abertura do evento, que contou ainda com a participação do secretário especial de Relacionamento Externo da Casa Civil, Marcelo Barros Gomes; do diretor regional do PNUD para a América Latina e o Caribe, Luís Felipe López-Calva; entre outros representantes de alto nível da OCDE, do Governo da Colômbia e do próprio PNUD.

Sob o título “Intercâmbio de Conhecimentos sobre o Processo de Acessão à OCDE - O Caso de Acessão da Colômbia”, o evento teve como foco o intercâmbio de conhecimento com base na experiência colombiana adquirida ao longo do processo de acessão do país, recentemente aceito pela OCDE, tornando-se o terceiro país latino-americano na Organização. O governo da Colômbia apresentou as soluções, os caminhos e os desafios superados para alinhamento das políticas públicas do país aos padrões da OCDE.

Para o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, o processo de entrada do Brasil na OCDE trará enormes benefícios, assim como trouxe para a Colômbia. “Assegura o aprimoramento e a consolidação de um ambiente de negócios atrativo, sustentável e seguro, capaz de melhorar o Investment Grade do país”, afirmou.

Braga Netto também destacou que “o Brasil está preparado e engajado para iniciar o processo de acessão, o que seguramente representará oportunidade histórica para que o país avance em uma vasta gama de políticas públicas e será importante catalisador para acelerar a agenda de reformas empreendida pelo Governo Federal”.

Global player

Em seguida, falou o diretor do PNUD para a América Latina e o Caribe, que lembrou o papel do Brasil como “global player” à frente da 9ª economia do planeta. Reforçou o apoio do PNUD ao país para o êxito em todas as etapas anteriores à acessão oficial à OCDE. “É um privilégio fazer parte desta jornada do Brasil para buscar seu acesso à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico”, afirmou López-Calva. “Esta série de webinars para compartilhar conhecimento sobre o processo de adesão à OCDE deve começar reconhecendo a importância fundamental do Brasil como global player.

Para López-Calva, “é tanto um privilégio quanto uma responsabilidade para o PNUD fazer parte desse processo. Somos uma instituição a serviço de todos os seus Estados-membros em busca de soluções locais com conteúdo global. Somos uma rede que conecta países ao resto do mundo e permite que o conhecimento e a experiência fluam em ambas as direções”, observou. “Nos próximos eventos, revisitaremos os casos de México, Chile e Costa Rica”, anunciou.

López-Calva salientou também que “o Brasil, como o restante dos países da América Latina, é um país de classe média, mas ainda tem de se tornar uma sociedade de classe média coesa. O caminho para consolidar uma sociedade de classe média forte é uma via que inclua produtividade, inclusão e resiliência e requer governança efetiva e forte.”

Deram também sua contribuição ao webinar o chefe da Divisão da OCDE para América Latina e Caribe, José Antonio Ardavin; a ex-coordenadora de Relações da Colômbia com a OCDE, Catalina Crane; o diretor de assuntos econômicos, sociais e ambientais do Ministério das Relações Exteriores da Colômbia, Lucas Gomez; e a chefe de equipe da OCDE e sherpa para o G-20, Gabriela Ramos.

Encerram o evento o secretário especial de Relacionamento Externo da Casa Civil, Marcelo Barros Gomes, e a representante residente do PNUD no Brasil, Katyna Argueta, que destacou a importância da atenção ao processo que antecede a adesão acessão oficial à OCDE. “Com este webinar, pudemos verificar a vantagem da parceria associada à cooperação e compartilhamento de melhores práticas entre países no caminho rumo ao desenvolvimento sustentável.”

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue