Não é hora de recuar, mas sim de ampliar as ações de filantropia. O momento pede parcerias e somente com ações conjuntas será possível responder aos diversos desafios trazidos pela pandemia da COVID-19. Essas foram as principais conclusões do webinar “Plataforma de Filantropia dos ODS: Respostas filantrópicas à crise da pandemia de COVID-19 e desafios futuros de desenvolvimento socioeconômico”, coordenado pelo PNUD, na última quinta-feira. A atividade integrou a programação da Semana do Investimento Social do GIFE.

“As parcerias serão fundamentais para superar os desafios sociais e econômicos impostos pela pandemia. A plataforma de filantropia dos ODS pretende desenvolver o potencial dos colaboradores”, declarou o Representante Residente Adjunto do PNUD Brasil, Carlos Arboleda,  na abertura do evento. As ações de filantropia têm sido cruciais para atenuar o impacto da pandemia de COVID-19. 

A coordenação de doações de indivíduos, fundações e corporações é um capítulo à parte na resposta à crise. De acordo com a consultoria CANDID, mais de US$ 11,4 bilhões foram mobilizados, provenientes de 789 financiadores e 5.996 doações em todo o mundo. Desde fundos de resposta rápida, com base nas comunidades, até o desenvolvimento de diagnósticos e vacinas, as ações de filantropia são responsáveis também por fornecimento de suprimentos médicos e garantem medidas urgentes de recuperação e proteção social, especialmente para a população mais vulnerável e marginalizada.

Enquanto a extensão do impacto da crise sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) ainda não pode ser avaliada integralmente, o PNUD lidera a resposta socioeconômica das Nações Unidas e garante que essa oportunidade sem precedentes seja aproveitada para construir um futuro sustentável e inclusivo. O diretor do HUB de Finanças do PNUD, Marcos Athias Neto, detalhou as dimensões da resposta à COVID-19 em implementação: governança, proteção social, economia verde e disrupção digital. “O desafio que temos à frente é superior à capacidade de qualquer ator isolado da sociedade. Nós, do PNUD, estamos abertos para dar aos atores da filantropia voz junto aos governos, para que haja essa união de esforços e de recursos para esse enfrentamento”, afirmou.

Para o diretor executivo da Wings, Benjamin Bellegy, a forte reação de doadores, fundações e instituições diante da crise causada pela COVID-19 é a oportunidade ideal para desenvolver o setor filantrópico mundial. A Plataforma de Filantropia dos ODS (SDG Philanthropy Platform) pretende ser a base para explorar o potencial dos doadores de criar e acelerar colaborações para acabar com a pobreza, proteger o planeta e garantir prosperidade a todas e todos. Bellegy acredita que essa plataforma facilita as reflexões e promove uma melhor estrutura e o fortalecimento do setor. “Essa crise deixou claras as dificuldades de enfrentamento. É preciso construir estratégias interessantes para que as doações realmente cheguem nas comunidades e também para alavancar o diálogo com atores públicos. A Wings está comprometida em mostrar ao setor como é importante essa articulação”, declarou.

Experiências

O evento online abordou a experiência de articulação em rede da Plataforma de Filantropia dos ODS. O assessor de Parcerias Estratégicas da ONU no Quênia, Arif Neky, contou sobre as conquistas nos últimos dois anos no país, em um esforço de construir confiança e parceria. Ao falar sobre as lições aprendidas, Neky destacou a articulação com associações e instituições filantrópicas, o envolvimento com comitês de financiamento e a busca, também, da colaboração de universidades e hubs de inovação. “Tem sido animador ver a velocidade da união de setores diversos frente à pandemia, o que nos incentiva a fazer mais e mais”, afirmou.

O secretário geral do GIFE, José Marcelo, chamou atenção para a mobilização recorde de recursos e para a variedade de doadores – individuais, familiares, empresas e instituições. “Essa diversidade é muito importante para o GIFE, e estamos buscando entender essa rede de doadores, que são elementos muito valiosos na gestão da crise e para além dela. É hora de fortalecer essa movimentação, essa capacidade de canalizar esforços em sintonia com a agenda pública, atuando em rede, com atores e fontes diversas”, disse.

 A diretora executiva do Instituto Humanize, Georgia Pessoa, e o  gerente de Efetividade de Rede Organizacional da Fundação Laudes, Fabio Almeida, também participaram do evento, abordando as estratégia estabelecidas diante da pandemia, os desafios institucionais e a necessidade de diálogo constante para a evolução do setor. A representante-residente assistente e coordenadora da área programática do PNUD Brasil, Maristela Baioni, mediou os debates finais, coordenando as respostas dos ouvintes. Baioni destacou a importância dos ODS, como eles continuam relevantes diante da crise e como devem ser perseguidos também na resposta social e econômica.

A íntegra do webinar está disponível em https://bit.ly/33AZ51l.

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue