Foto: UNDP Bangladesh/Fahad Kaizer

Nova York - A maioria dos países não está fazendo o suficiente para proteger mulheres e meninas das consequências econômicas e sociais causadas pela crise da COVID-19 segundo dados recém-divulgados pelo PNUD e pela ONU Mulheres a partir do Rastreador Global de Resposta à COVID-19 com viés de gênero.

O rastreador, que inclui mais de 2.500 medidas, de 206 países e territórios, analisa especificamente medidas governamentais com perspectiva de gênero em três áreas:  combate à violência contra mulheres e meninas (VAWG, sigla em inglês), apoio aos cuidados não remunerados e reforço à segurança econômica das mulheres.

Os resultados indicam que 42 países, um quinto (20%) dos analisados, não têm absolutamente nenhuma medida sensível ao gênero na resposta à COVID-19. Apenas 25 países, 12% do mundo, introduziram medidas que abrangem as três áreas. Estas podem incluir o fornecimento de linhas telefônicas especiais para atendimento, abrigos ou respostas judiciais para conter o surto de violência contra mulheres e meninas durante a pandemia, transferências de dinheiro dirigidas diretamente às mulheres, fornecimento de serviços de assistência  a crianças ou licença familiar e médica remuneradas.

“A crise da COVID-19 proporciona uma oportunidade para os países transformarem os modelos econômicos existentes em um contrato social renovado que priorize a justiça social e a igualdade de gênero. O recém-lançado rastreador de resposta à COVID-19 com viés  de gênero pode ajudar a acelerar a reforma de políticas, orientando para essas lacunas nos esforços nacionais, financiando e destacando as melhores práticas”, declarou o Administrador mundial do PNUD, Achim Steiner.

“Está claro que a pandemia da COVID-19 vem atingindo duramente as mulheres – seja como vítimas de violência doméstica confinadas com seus abusadores, seja como cuidadoras não remuneradas nas famílias e comunidades, seja  como trabalhadoras em empregos que carecem de proteção social. O Rastreador Global apoia os governos na tomada de decisões políticas acertadas , por meio do compartilhamento de boas práticas e do monitoramento do progresso de políticas de cuidados e medidas para combater a violência contra as mulheres", afirmou a Diretora Executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka.

Os novos dados mostram que os governos concentraram  seus esforços contra a COVID-19 relacionados ao gênero principalmente na prevenção e/ou resposta à violência contra mulheres e meninas -- essas medidas representam 71% de todas as ações identificadas, ou 704 medidas em 135 países. Dessse total, 63% concentram-se no reforço de serviços essenciais, como abrigos, linhas de apoio e outros mecanismos de denúncia. No entanto, apenas 48 países, menos de um quarto dos analisados, trataram os serviços relacionados com violência contra mulheres e meninas  como parte  de seus planos de resposta à COVID-19 nacionais e locais, com muito pouco financiamento adequado para  essas medidas.

Enquanto isso, a resposta à pandemia em termos de  proteção social, crise dos cuidados de saúde e emprego tem sido, em grande parte, cega para as necessidades das mulheres, com apenas 177 medidas (10% do total) em 85 países, explicitamente voltadas para o  fortalecimento da segurança econômica das mulheres, e menos de um terço dos países (60 no total) comprometidos com medidas de mitigação de trabalho de cuidados não remunerados e de reforço aos serviços de assistência a crianças, idosos ou pessoas com deficiência.

O rastreador também mostra que a resposta com perspectiva de gênero varia muito entre países e regiões.

A Europa lidera a resposta na abordagem VAWG e dos cuidados não remunerados -representando quase 32%  de todas as medidas contra a  violência e 49%  de todas medidas relacionadas a cuidado não remunerado. O continente americano tem o maior número de medidas destinadas ao reforço da segurança econômica das mulheres, seguido pela África.

Alguns exemplos positivos:

.        A Bósnia-Herzegovina desenvolveu um plano de apoio às organizações da sociedade civil responsáveis pela gestão de  abrigos; e na Colômbia e na Suécia os recursos financeiros têm ou serão disponibilizados para apoiar as sobreviventes da violência de gênero.

.        Em resposta à crise de assistência, a Argentina aumentou os pagamentos mensais de pensão alimentícia; Austrália e Costa Rica  garantiram   o funcionamento dos serviços de  assistência infantil durante o período de “lockdown”; Áustria, Chipre e Itália concederam licença familiar adicional a trabalhadores pais e mães afetados, e Canadá, Espanha e Coreia do Sul introduziram benefícios em dinheiro para os pais afetados pelo fechamento de escolas e creches.

.          Países como Togo, Geórgia e Marrocos estão  promovendo transferências  de renda ou subsídios para mulheres empreendedoras e comerciantes informais.

Recomendações baseadas nas descobertas  do rastreador

Os achados do Rastreador Global sugerem que, mesmo onde   se adotou  número significativo  de medidas sensíveis ao gênero, estas somente serão eficazes se forem devidamente financiadas e sustentadas ao longo do tempo. Outras recomendações incluem:

.       Os serviços de resposta e prevenção à VAWG devem ser tratados como  essenciais,  devidamente financiados e integrarem  os planos de resposta à COVID-19 nacionais e locais.

.        Os pacotes fiscais devem ser elaboradosde maneira a garantir que as mulheres não sejam deixadas de fora da resposta à pandemia e da posterior recuperação .

.         Governos devem apoiar a participação ativa das mulheres nos processos de liderança e de tomada de decisão em suas respostas à COVID-19 e investir em dados desagregados por  sexo para garantir que os impactos diferenciados em termos de gênero sejam reconhecidos e efetivamente abordados.

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue