Foto: CNJ

 

 

A Universidade de Fortaleza (Unifor) e o PNUD assinaram termo de parceria para o desenvolvimento de uma ferramenta de classificação de processos judiciais por meio do uso de inteligência artificial. A iniciativa é parte do Programa Justiça 4.0, parceria entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o PNUD, que fomenta a inovação para aperfeiçoar o trabalho do Poder Judiciário. 

 

 

A aliança entre as instituições ocorreu no âmbito do eixo Sinapses do Programa Justiça 4.0, composto de ferramentas para o armazenamento, treinamento supervisionado, distribuição e auditoria de modelos de inteligência artificial no Poder Judiciário. As equipes trabalharão conjuntamente para gerar modelos que possam classificar os processos judiciais para otimizar a ação dos operadores do direito. “Essa iniciativa permitirá que academia, poder público e organização internacional trabalhem juntos rumo a uma Justiça mais efetiva e inclusiva, que entenda que as pessoas devem estar no centro de instituições pensadas para incluir a todas e todos”, afirma a coordenadora da unidade de Governança e Justiça do PNUD, Moema Freire.

 

 

A inteligência artificial é a área da ciência da computação que estuda a programação de máquinas para que atuem simulando ações próprias do pensamento humano. O desenvolvimento de ferramentas com essa capacidade no programa Justiça 4.0 pretende desenvolver algoritmos que classifiquem de forma automatizada processos judiciais nos sistemas eletrônicos, simplificando e reduzindo custos do Judiciário. Se, no passado, a transformação digital era pensada exclusivamente para atividades administrativas, agora ela é considerada capaz de apoiar também ações centrais como a prestação jurisdicional, ou seja, as decisões e ações do Sistema de Justiça. Há iniciativas em andamento na área em diferentes instituições, como o Projeto Victor no Superior Tribunal de Justiça, o Projeto ELIS no Tribunal de Justiça de Pernambuco.

 

 

“O PNUD é um parceiro fundamental em projetos voltados a aprimorar o Judiciário brasileiro, e apoia o CNJ a liderar seu ingresso na era digital e a aproximar o Poder Judiciário dos cidadãos”, afirma o secretário-geral do CNJ, Valter Shuenquener. “O Justiça 4.0 representa importante passo na promoção da Justiça digital a partir do fortalecimento das capacidades institucionais do próprio CNJ, permitindo que as inovações entrem em cena para uma prestação jurisdicional efetiva”.

 

 

Para o coordenador do projeto na Unifor, professor Vasco Furtado, a construção da inovação e do conhecimento não se faz apenas nos laboratórios, mas também no diálogo dos cientistas com as instituições. “Do ponto de vista acadêmico, nossa expectativa é grande, pois esse projeto se torna um laboratório extraordinário para que as novas ferramentas e técnicas sejam comparadas e publicamente reconhecidas pela academia."

 

Icon of SDG 16 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue