Foto: Creative Commons

Chega a 689.627 o número de crianças e adolescentes que morreram por acidente de transporte, suicídio e homicídio, entre 1980 e 2013, segundo o relatório "Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil", produzido pela FLACSO com apoio da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA) e do PNUD. Nesse contexto, desde dezembro de 2018, o PNUD conduz um projeto de cooperação em parceria com a SNDCA para fortalecer as ações de garantia do direito à vida e delinear estratégias de redução da violência contra crianças e adolescentes.

A iniciativa protagoniza ações para fomentar a articulação entre governo e sociedade, assim como criar metodologias voltadas à redução da violência contra crianças e adolescentes a partir da articulação intersetorial em nível local.

“A violência é um fenômeno multicausal. Por isso, as iniciativas que visem enfrentá-la ou preveni-la requerem intervenções multissetoriais e integradas”, explica a gerente de projetos do PNUD no Brasil Raíssa Teixeira.

Até 22 de outubro, o projeto selecionará, por meio de edital, seis organizações públicas e/ou privadas, sem fins lucrativos, para desenvolvimento e implementação de novas metodologias com foco na redução da violência contra crianças e adolescentes. O edital é dividido em dois eixos: no primeiro, uma organização cuidará da coordenação e da elaboração da metodologia aplicada. O segundo contemplará outras cinco instituições que atuarão como multiplicadoras do método nas diferentes regiões.

A metodologia a ser desenvolvida incluirá princípios de experiências exitosas nacionais e internacionais, e deverá combinar diferentes estratégias voltadas à redução da violência contra crianças e adolescentes. Iniciativas como essas serão particularmente importantes em uma conjuntura em que o retorno à escola pós-pandemia ainda é uma questão incerta, que deverá ser acompanhada de perto pelas autoridades públicas. Podem se candidatar instituições de ensino superior, públicas ou privadas – sem fins lucrativos –; centros de pesquisa; fundações; institutos e organizações da sociedade civil que tenham experiência no desenvolvimento de metodologias, estudos e pesquisas, incluindo a implantação de projetos na área; ou entidades com experiência na implantação de ações em seu município referentes à temática do edital.

Para inscrever sua instituição, acesse a aba de Oportunidades do site do PNUD Brasil.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue