Foto: UNDP Turkey


Nova York, 7 de julho – O esforço global de 15 anos para melhorar a vida das pessoas em todo o mundo por meio do alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030 já estava fora de curso no fim de 2019. E agora, em um curto período de tempo, a pandemia da COVID-19 desencadeou uma crise sem precedentes, causando interrupção no progresso dos ODS, com as pessoas mais vulneráveis e pobres do mundo sendo as mais afetadas, de acordo com um novo relatório lançado hoje pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas.

De acordo com o Relatório 2020 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o mundo está progredindo  – mesmo que de forma irregular e insuficiente para alcançar os Objetivos – em áreas como  melhora da saúde materna e infantil,  expansão do acesso à eletricidade e  aumento da representação das mulheres no governo. Mesmo assim, esses avanços  foram contrabalanceados pelo aumento da insegurança alimentar, da deterioração do meio ambiente natural e das persistentes e generalizadas desigualdades.

Agora, a pandemia da COVD-19 tornou-se rapidamente a  pior crise humana e econômica de nosso tempo, espalhando-se por todos os países, com o número global de mortes excedendo 500.000, e o número de casos confirmados superior a 10 milhões.

“Como os Estados-membros reconheceram na Cúpula dos ODS,  realizada em setembro de 2019, os esforços globais até o momento foram insuficientes para  promover a mudança de que precisamos,  colocando em risco as promessas da Agenda à geração atual e às futuras”,  declarou o Secretário-Geral da ONU, António Guterres. “Agora, devido à COVID-19, uma crise econômica, social e de saúde sem precedentes ameaça vidas e meios de subsistência, fazendo com que o alcance dos Objetivos seja ainda mais desafiador”, completou.

O Secretário-Geral enfatizou que a COVID-19 não afeta a todas e todos da mesma forma. “ Embora o novo coronavírus afete todas as pessoas e comunidades, isso não acontece de forma igualitária. Ao contrário, tem exposto e exacerbado  desigualdades e injustiças.”

Utilizando os  dados e estimativas mais recentes, este relatório de levantamento anual sobre o progresso, de forma transversal,  dos 17 ODS mostra que são os pobres e os mais vulneráveis – incluindo crianças, idosos, pessoas com deficiência, migrantes e refugiados –   os atingidos de forma mais dura  pelos efeitos  da pandemia da COVID-19. As mulheres também estão arcando  com o impacto mais pesado desses efeitos.

Entre as principais conclusões do relatório:

Estima-se que 71 milhões de pessoas voltem à pobreza extrema em 2020, o primeiro  aumento na pobreza global desde 1998. Perda de renda, proteção social limitada e aumento de preços significam que mesmo aqueles que estavam  em segurança podem  se ver em risco de enfrentar  pobreza e  fome.

O subemprego e o desemprego devido à crise significam que 1.6 bilhão – de trabalhadores já vulneráveis na economia informal –metade da força de trabalho global – podem ser significativamente afetados, com suas rendas  reduzidas em aproximadamente 60 por cento no primeiro mês da crise.

A população mundial de mais de um bilhão de moradores  de favelas está  sob grave risco dos efeitos da COVID-19, sofrendo com a falta de moradia adequada, sem água encanada em  casa, compartilhando banheiros, com pouco ou nenhum sistema de coleta de lixo, em transportes públicos superlotados e com acesso limitado às unidades de saúde formais.

Mulheres e crianças também estão entre os que mais sofrem com os efeitos da pandemia. A interrupção nos serviços de vacinação e de saúde e o acesso limitado aos serviços de nutrição e dieta têm o potencial de causar mais centenas de milhares de mortes  de crianças com menos de cinco anos de idade e mais dezenas de milhares de mortes maternas  em 2020. Muitos países  têm visto um surto  no registro de violência doméstica contra mulheres e crianças.

O fechamento de escolas manteve 90 por cento dos estudantes em todo o mundo (1.57 bilhão) fora das escolas e  levou mais de 370 milhões a ficarem sem merenda  escolar. A falta de acesso a computadores e à internet em casa significa que a aprendizagem a distância  está fora do alcance de muitos. Aproximadamente 70 países relataram  interrupções de moderadas a drásticas ou mesmo a suspensão dos serviços de vacinação infantil  em maio e abril de 2020.

Quando mais famílias  mergulham na pobreza extrema, crianças    em comunidades pobres e desfavorecidas  correm mais risco  de trabalho, casamento  e tráfico infantis. De fato,  as conquistas globais na redução do trabalho infantil  poderão  ser  revertidas pela primeira vez nos últimos 20 anos.

O relatório também mostra que a mudança global do clima ainda ocorre mais rapidamente  do que o previsto. O ano de 2019 foi o segundo mais quente já registrado e o último  da década mais quente (de 2010 a 2019). Enquanto isso, a acidificação dos oceanos está se acelerando, a degradação da terra continua, um número massivo de espécies está sob risco de extinção, e modelos de consumo  e padrões de produção insustentáveis seguem sendo a regra .

O relatório anual, um esforço conjunto da comunidade estatística global,  está sendo lançado no dia da abertura do Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável, em que líderes de governos e diferentes setores da sociedade se reúnem para traçar estratégias e esforços para implementar de forma integral os ODS. O relatório fornece dados essenciais que permitem tomadores de decisão orientarem seus esforços para uma recuperação  sustentável.

“Os princípios nos quais os ODS foram estabelecidos são fundamentais para reconstruir melhor na recuperação  pós-COVID-19”, disse o Subsecretário-Geral para Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, Liu Zhenmin. “A busca contínua por esses Objetivos universais manterá os governos  com foco no crescimento, mas também na inclusão, na equidade e na sustentabilidade. Nossa resposta coletiva  à pandemia pode servir como  'aquecimento'  a nossa preparação para prevenir uma crise ainda maior – isto é, a mudança global do clima, cujos efeitos já estão se tornando bem familiares.”, afirmou.

Para fazer o download do relatório: https://unstats.un.org/sdgs.

Sobre os Relatórios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Os relatórios anuais fornecem uma visão geral dos esforços globais de implementação dos ODS até o momento, destacando áreas de progresso e pontos que demandam mais ação. Eles são preparados pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU (DESA, na sigla em inglês), com a contribuição de organizações internacionais e regionais e de agências, fundos e programas do Sistema ONU. Diversos estatísticos nacionais, especialistas da sociedade civil organizada e da academia também contribuem com os relatórios. Para mais informações, acesse: https://unstats.un.org/sdgs/.

Sobre o Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável

O Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável é o fórum global para promover liderança política, orientações e recomendações sobre a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e os 17 ODS, adotados por unanimidade pelos líderes globais em 2015. O Fórum  oferece a oportunidade para os países, a sociedade civil organizada e  o setor privado destacarem os esforços realizados para o alcance dos ODS, a troca de ideias e boas práticas.

Para mais informações, acesse: https://sustainabledevelopment.un.org/hlpf/2020.

Contatos de imprensa
Departamento de Comunicação Global da ONU
Dan Shepard  | +1 212 963 9495| shepard@un.org      

Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU
Yongyi Min  | +1 212 963 9293  | min3@un.org

 

 

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue