--- Image caption ---

Já está disponível para download, em computadores e celulares com sistema Android, o jogo Cidade do Amanhã. Desenvolvido para o público jovem, o jogo aborda de forma lúdica questões como cidadania, transparência, segurança, acesso à justiça e construção de instituições eficazes.

O game é o vencedor do 1° Concurso de Jogos Digitais do PNUD, promovido em parceria com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e o programa Nordic Dialogues. O Concurso recebeu 14 propostas de jogos eletrônicos, a proposta vencedora foi idealizada por uma equipe de jovens desenvolvedores do Rio de Janeiro, a Delta Arcade.

Antes de começar a jogar, os participantes devem escolher qual personagem irá representá-los: a prefeita, o vereador, o empresário, o cidadão, ou o juiz. Na Cidade do Amanhã cada jogador deve tomar decisões que levem o território rumo ao progresso com relação a metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 16 – paz, justiça e instituições eficazes. O jogo é composto por cartas e estratégias para estimular a reflexão sobre desenvolvimento humano, incentivando a participação social e o fortalecimento de ações de transparência.

"Os jovens são o presente, não o futuro. Se considerarmos, verdadeiramente, que a juventude é a maior parte da população mundial e que ela está mais concentrada nos países em  desenvolvimento, compreenderemos que precisamos focar em políticas públicas destinadas aos jovens", afirma a Representante Residente do PNUD no Brasil, Katyna Argueta.

A pauta da governança democrática e inclusiva, discutida no game, é um dos pilares do trabalho do PNUD no Brasil. Como o público-alvo do jogo é de crianças e adolescentes, a ferramenta é parte também de uma estratégia de advocacy e engajamento cívico. “No jogo, ficam claras as relações de causa e consequência, de acordo com as decisões tomadas sobre questões centrais da governança pública, especialmente tópicos relacionados à integridade e transparência. É importante mostrar aos jovens cidadãos porque a sociedade deve se apropriar das decisões que impactam a todos”, explica a coordenadora da unidade de Governança e Justiça para o Desenvolvimento do PNUD, Moema Freire.

Uma preocupação durante o desenvolvimento do projeto foi manter o game divertido e lúdico, sem prejudicar seu aspecto educativo. Durante o período de aulas à distância no contexto da pandemia de Covid 19, o jogo também pode ser uma ferramenta pedagógica para promover reflexões sobre cidadania e democracia. Para acessar o Cidade do Amanhã, clique aqui (para celular) e aqui (para computador).

Protagonismo juvenil e inovação para sociedades mais justas e inclusivas

Paulo, Luis, João, Camila e Caio são os integrantes da Delta Arcade: cinco jovens cariocas que se conheceram em sala de aula e decidiram formar um grupo para desenvolvimento de jogos virtuais com propósito social. Ao se aproximarem da conclusão de seus cursos universitários, eles se uniram para fazer dos jogos ferramentas capazes de impulsionar mudanças na sociedade. O grupo buscava uma oportunidade de associar sua paixão pelo desenvolvimento de games a uma porta de entrada para a vida profissional. 

Com esse objetivo, surgiu a Delta Arcade, nome adotado pelo grupo. Enquanto trabalhavam na criação de seu primeiro jogo, que tinha foco na educação política, os jovens tomaram conhecimento do concurso promovido pelo PNUD para seleção de  propostas inovadoras voltadas ao desenvolvimento de games relacionados ao ODS 16 – o 1º concurso de Jogos Digitais do PNUD.

“Vimos a chamada como uma grande oportunidade de trabalharmos por um objetivo em que acreditamos. Jogos são ferramentas para transformação, para construção de um mundo melhor. Contar histórias poderosas por meio dos jogos nos une, pois acreditamos que além de entreter, os jogos podem conduzir as pessoas a reflexões que gerem atitudes positivas”, destaca Paulo Eduardo Aragon, um dos membros da equipe.

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue