Crédito da foto: UNV

Em resposta à pandemia de COVID-19, o PNUD tem expandido o alcance de sua ação em saúde e desenvolvimento ao engajar voluntárias e voluntários online. Em 2020, o PNUD publicou 401 oportunidades de trabalho por meio do serviço de Voluntariado Online, convocando 1.754 pessoas no total. Os candidatos e candidatas a voluntariado online apresentam diferentes históricos e experiências educacionais, de estudantes a recém-formados, de graduandas e graduandos em Medicina a pesquisadores de doutorado. Até ex-voluntária e ex-voluntários da ONU se inscreveram, estimulados por sua dedicação ao desenvolvimento. Todas e todos ofereceram o melhor de si para apoiar o trabalho das equipes do PNUD em todo o mundo.

Os Voluntários Online, em apoio ao Centro Regional do PNUD em Istambul, começaram realizando tarefas de pesquisa, tradução e criação de modelos econômicos para auxiliar projetos de prevenção e controle de doenças não-transmissíveis (DNT) em países de baixa e média renda. O trabalho logo atingiu dimensões surpreendentes: os pesquisadores online monitoraram dados e informações sobre COVID-19, DNTs e seus fatores de risco; atualizaram um cuidadoso banco de dados de pesquisa e política; analisaram as pesquisas mais recentes sobre COVID-19 e DNTs; e investigaram as melhores práticas regionais e nacionais sobre prevenção e controle de DNTs. O resultado alimentou mais de 1 mil páginas de novos documentos da ONU, incluindo relatórios, infográficos e artes visuais.

“Agora temos um grupo central de voluntários, que estão ajudando a coordenar a equipe maior. Essa força-tarefa está pesquisando sobre a economia política de diferentes questões de saúde a nível de país; quatro deles se tornaram consultores em tempo integral para nossa equipe”, afirma Dudley Tarlton, especialista do Programa para Saúde e Desenvolvimento do Centro Regional do PNUD em Istambul.

A equipe de voluntários foi integralmente responsável por uma iniciativa-chave: o Índice de Vulnerabilidade à COVID/DNT’s. [1] Esse índice analisa até que ponto a vulnerabilidade à COVID-19 é comprometida por enfermidades crônicas, como doenças cardiovasculares, câncer e diabetes, bem como os fatores de risco que as agravam, como uso de tabaco, consumo de álcool, poluição do ar e obesidade. A partir disso, há uma pontuação para mais de 160 países, que provê informação para formuladores de políticas públicas e ajuda os Estados-Membros da ONU a priorizarem ações voltadas a reconstruir melhor (pós-pandemia), com populações mais saudáveis.

“Trabalhar com o PNUD não foi, de forma alguma, uma experiência qualquer de voluntariado. Tive a oportunidade de trabalhar em atividades desafiadoras, como o painel COVID-19. Também tive espaço criativo para pensar novas soluções, fui acompanhado por pessoas altamente competentes, motivadas e – enfatizo – gentis. Isso se deve ao ambiente favorável promovido pela Equipe de Saúde e Desenvolvimento do PNUD”, conta o brasileiro Bernardo Menescal Ferreira da Silva, voluntário online.

Uma das primeiras descobertas consistentes sobre a epidemia do novo coronavírus, até em Wuhan (China), foi que as pessoas com doenças crônicas, geralmente uma ou mais DNTs, tiveram mais dificuldade em comparação com as pessoas sem DNTs. A taxa de mortalidade de portadores de DNTs foi mais de cinco vezes superior à daqueles sem DNT. Por quê? Porque eles demandam mais atenção no hospital, caso sejam infectados. Além disso, como hospitais e serviços de saúde se concentram na COVID-19, o tratamento de pacientes com DNT não contaminados pelo vírus pode também vir a ser interrompido.

“Como as pessoas com DNTs parecem ser mais vulneráveis a adoecer gravemente devido à COVID-19, tenho orgulho de que minha contribuição possa ajudar a saúde e o bem-estar das pessoas afetadas. Também é gratificante conhecer virtualmente outros voluntários de todo o mundo, todos motivados a ajudar”, diz Emily Roberts, voluntária online.

A voluntária online Johanna Jung tem experiência em pesquisa médica acadêmica sobre DNTs. Sua contribuição foi central para o desenvolvimento do NCD e da Síntese de Política da COVID-19, na qual ela co-liderou e redigiu o State of the evidence on COVID-19 and non-communicable diseases: a rapid review (algo como o Estado das evidências sobre a COVID-19 e as doenças não transmissíveis: uma revisão rápida. [2] “Essa experiência me deu um propósito durante o lockdown, uma oportunidade de crescer profissionalmente e também um senso de valor maior: fazer parte de um exército de voluntários online, conectados pelo desejo de dar sua modesta contribuição para um mundo melhor", declara.

O apoio voluntário se estendeu a projetos sobre abordagens fiscais para prevenção e controle de DNTs, nomeadamente modelagem econômica de impostos relacionados à saúde (taxas sobre tabaco, álcool e bebidas adoçadas com açúcar) em alguns países selecionados. Enquanto pessoas com formação em Economia desenvolveram a metodologia e modelos de impostos, voluntários com experiência em saúde pública colheram dados e compartilharam descobertas por meio de apresentações, infográficos e relatórios.

“Também lideramos um projeto muito promissor sobre impostos em prol da saúde. Dada a necessidade de financiar a proteção social relacionada à COVID-19, a ONU e o Banco Mundial estão defendendo o aumento de impostos sobre produtos prejudiciais à saúde, como tabaco, álcool e bebidas adoçadas com açúcar. Uma equipe de voluntários online trabalhou conosco para desenvolver um modelo de previsão de aumentos de receita em diferentes cenários”, relata Dudley Tarlton.

Os voluntários também apoiaram projetos essenciais relacionados ao controle do tabagismo, incluindo análises institucionais e de contexto sobre o peso do tabaco e das DNTs na economia dos países. A voluntária online Yuliya Pismennaya contribuiu em pesquisas sobre controle do tabagismo e DNTs no Tajiquistão. “O envolvimento nos projetos da ONU depende constantemente de sua ânsia por aprender e crescer profissionalmente. Por isso, fiz pesquisas extensas sobre saúde e tabagismo, a luta global contra a diabetes, doenças cardíacas, melhoria da nutrição e conscientização sobre os riscos à saúde”, declara.

O PNUD e a equipe de pesquisadoras e pesquisadores voluntários continuarão a produzir resumos de pesquisa e a suprir as lacunas de conhecimento para organismos da ONU, a academia ou a sociedade civil, em termos de interrelações DNT-COVID-19, impactos nos sistemas de saúde e acesso a tratamento médico/remédios por meio de dados comparativos de diferentes países. A equipe de Saúde e Desenvolvimento do PNUD continua a trabalhar com voluntárias e voluntários online em projetos como modelagem econômica sobre o impacto do surto de COVID-19 nos países. 

Este "novo normal virtual" devido à pandemia de COVID-19 apresentou o PNUD a uma comunidade online global de indivíduos entusiasmados para trabalhar. Com o êxito do envolvimento de voluntários em projetos anteriores e em andamento, a equipe de Saúde e Desenvolvimento do PNUD espera ter novas oportunidades de colaboração de voluntárias e voluntários online no futuro.

[1] O Painel de Vulnerabilidade COVID-19/DNT foi planejado para investigar novas interações entre o índice de vulnerabilidade e outras variáveis de desenvolvimento, como PIB per capita, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) etc. A atual versão beta do painel pode ser visualizada em: https://public.domo.com/embed/pages/aOV4p

[2] O documento The World Health Organization/UNDP policy brief and rapid review on Responding to noncommunicable diseases during and beyond the COVID-19 pandemic pode ser acessado aqui:  https://www.undp.org/content/undp/en/home/librarypage/hiv-aids/responding-to-non-communicable-diseases-during-and-beyond-the-co.html

Icon of SDG 03 Icon of SDG 16 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Brasil 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue